25 Setembro 2022, 06:16

Guerra na Ucrânia fez pelo menos 3.527 vítimas civis, incluindo 1.430 mortos

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Genebra, Suíça, 30 mar 2022 (Lusa) — A invasão russa da Ucrânia já fez pelo menos 3.527 vítimas civis, incluindo 1.430 mortos e 2.097 feridos, a maioria das quais atingidas por armamento explosivo de grande impacto, indicou hoje a ONU.


No relatório diário de vítimas civis confirmadas desde o início da ofensiva militar russa na Ucrânia, a 24 de fevereiro, o Alto-Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH) contabilizou, até às 24:00 de domingo (hora local), 121 crianças entre os mortos e 178 entre os feridos.


A Alto-Comissariado da ONU acredita que estes dados sobre as vítimas civis estão, contudo, muito aquém dos números reais, sobretudo nos territórios onde os ataques intensos não permitem recolher e confirmar a informação.


É o que acontece, por exemplo, em Mariupol e Volnovakha (região de Donetsk), Izium (região de Karkiv), Popasna (região de Lugansk) e Irpin (região de Kiev), onde há alegações de numerosas baixas civis ainda por confirmar e que por isso não estão incluídas nas estatísticas da ONU.


O ACNUDH refere ainda que “a maioria das baixas civis foi causada pela utilização de armas explosivas com uma ampla área de impacto, incluindo bombardeamentos de artilharia pesada e sistemas de lançamento múltiplo de ‘rockets’, e por ataques aéreos e de mísseis”.


A guerra na Ucrânia já causou um número indeterminado de baixas militares e a fuga de mais de dez milhões de pessoas, das quais 4,1 milhões para os países vizinhos, de acordo com os mais recentes dados da ONU.


Esta é a pior crise de refugiados na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945) e as Nações Unidas calculam que cerca de 13 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia.


A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e a imposição à Rússia de sanções que atingem praticamente todos os setores, da banca ao desporto.



ANP // PDF


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário