25 Maio 2022, 13:49

Guterres “convencido” que Rússia não intervirá na Ucrânia

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Nações Unidas, 21 jan 2022 (Lusa) – O secretário-geral da ONU, António Guterres, manifestou-se hoje “convencido” de que “não acontecerá” uma invasão militar russa ou incursão na Ucrânia e pediu diplomacia para resolver a crise em curso, principalmente entre a Rússia e os Estados Unidos.


“Não deverá haver intervenção militar”, estimou o chefe da ONU, que falava numa conferência de imprensa.


“Estou convencido de que isso não vai acontecer” e “espero firmemente ter razão”, acrescentou.


António Guterres acredita que “a diplomacia é a forma de resolver os problemas” e defendeu que é necessário “evitar o pior”.


Na quarta-feira, o Presidente dos EUA, Joe Biden, considerou que o seu homólogo russo, Vladimir Putin, que concentrou dezenas de milhar de militares junto à fronteira da Ucrânia, “não queria uma guerra em grande escala”.


Mas, acrescentou: “Acho que ele vai entrar” na Ucrânia de uma forma ou de outra.


“Ele vai ter que fazer alguma coisa”, disse ainda, sem mais detalhes.


A Rússia garante que não tem intenção de intervir militarmente na Ucrânia, apesar de ter enviado militares e armas.


A Casa Branca anunciou hoje que não exclui um encontro entre Biden e Putin, caso contribua para diminuir a tensão bilateral devido à concentração de tropas russas junto à fronteira ucraniana.


Na sua conferência de imprensa diária, e perante a ausência de progressos nas conversações entre as duas partes, a porta-voz presidencial, Jen Psaki, afirmou que Biden se vai reunir este fim de semana na residência de Camp David com a sua equipa de Segurança Nacional e o secretário de Estado, Antony Blinken, para abordar “os próximos passos” a seguir.


Ao referir-se à possibilidade de uma nova reunião entre Biden e Putin, Psaki disse que “caso seja um passo recomendado, e pensamos que pode ser positivo nesta fase da discussão, o Presidente está sempre aberto a discussões de líder a líder”.


Biden e Putin já se encontraram pessoalmente num encontro presidencial em junho de 2020 em Genebra (Suíça), e em dezembro mantiveram uma reunião virtual com o objetivo de reduzir a tensão bilateral.


O comentário do porta-voz da Casa Branca surgiu na sequência da reunião que Blinken manteve em Genebra com o ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Serguei Lavrov, um encontro que não registou progressos significativos.



EL (PCR/RJP) //RBF


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário