06 Julho 2022, 02:30

Guterres critica “abdicação criminosa” de líderes face a alterações climáticas

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



O secretário-geral da ONU, António Guterres, criticou hoje a “abdicação criminosa” dos dirigentes mundiais na luta contra as alterações climáticas. face ao “sofrimento humano” que provocam.

Intervindo na apresentação do mais recente relatório do Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas das Nações Unidas, Guterres apontou o documento como um repositório do “sofrimento e uma acusação avassaladora ao falhanço dos líderes mundiais na luta contra as alterações climáticas”, sobretudo no que toca aos países com mais emissões poluentes.

“Quase metade da humanidade vive nas zonas de perigo, hoje e agora. Muitos ecossistemas atingiram o ponto de não retorno. Os factos estão aí e são inegáveis”, afirmou numa mensagem em vídeo, declarando que “esta abdicação de liderança é criminosa”.

António Guterres afirmou que “os culpados são os maiores poluidores mundiais, que pegam fogo à única casa” que a humanidade tem.

O responsável máximo das Nações Unidas referiu que o relatório contém duas verdades fundamentais: “o carvão e outros combustíveis fósseis estão a sufocar a humanidade” e “o investimento em adaptação às alterações climáticas está a resultar e salva vidas”.

No entanto, salientou que o volume de ajuda aos países em desenvolvimento é “claramente inadequado”, alertando que “perder tempo é morrer”.

“Sei que as pessoas em todo o lado estão preocupadas e zangadas. Eu também estou. É tempo de tornar esta zanga em ação”, defendeu.

Sem comentários

deixar um comentário