04 Fevereiro 2023, 07:12

Guterres insta governos e redes sociais a prevenirem discursos de ódio e desinformação

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, defendeu esta segunda-feira que os governos, empresas e redes sociais têm a responsabilidade de prevenir discursos de ódio, ‘bullying’ e desinformação que “prejudicam os direitos humanos, a democracia e a ciência”.

“Um espaço digital seguro começa com a proteção da liberdade de expressão. Mas não termina aí. Governos, empresas e plataformas de redes social têm a responsabilidade de prevenir discursos de ódio, bullying e desinformação, que prejudicam os direitos humanos, a democracia e a ciência”, destacou Guterres numa publicação na rede social Twitter.

Elon Musk, que além da Tesla é também dono do SpaceX [viagens espaciais], comprou o Twitter, em outubro, por 44 mil milhões de dólares (41,7 mil milhões de euros).

Mas a visão de Musk, que defendeu uma liberdade de expressão absoluta na rede social, está a causar preocupação entre muitos utilizadores, autoridades e anunciantes, por temerem um aumento de mensagens de de ódio e desinformação.

No início, o empresário prometeu um conselho de moderação de conteúdos responsável por todas as grandes decisões, mas posteriormente decidiu restabelecer várias contas, a começar pela do ex-Presidente dos Estados Unidos Donald Trump, banido da rede social depois do assalto ao Capitólio, em janeiro de 2021.

Musk pôs também fim à luta contra a falsa informação ligada à covid-19 e recentemente esclareceu os seus limites pessoais sobre a liberdade de expressão numa série de ‘tweets’.

Na sexta-feira, a conta do ‘rapper’ norte-americano Kanye West no Twitter foi suspensa por “incitar à violência”, depois de ter afirmado que admirava Hitler.

Elon Musk também disse que não ia permitir o regresso à rede social do teórico da conspiração da extrema-direita norte-americana Alex Jones, que foi condenado por afirmar que um massacre escolar foi encenado por elementos do movimento de oposição às armas de fogo.

Em reação às declarações de Kanye West, o Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, instou na sexta-feira a classe política norte-americana a “denunciar e rejeitar o antissemitismo.

“Só quero deixar algumas coisas claras: o Holocausto aconteceu. Hitler era uma figura demoníaca. E, em vez de lhe dar uma plataforma, os nossos líderes políticos devem denunciar e rejeitar o antissemitismo onde quer que ele se esconda”, destacou o chefe de Estado norte-americano, através da rede social Twitter.

Biden realçou ainda que “o silêncio é cumplicidade”, noticiou a agência Europa Press.

Também na sexta-feira, o Presidente francês, Emmanuel Macron, que visitou os Estados Unidos, revelou ter mantido “uma conversa clara e sincera” com o novo proprietário do Twitter, para insistir que a rede social deve melhorar a transparência e “reforçar a moderação de conteúdos”.

Numa série de mensagens escritas no Twitter, Emmanuel Macron disse também ter discutido, em Nova Orleães, na sexta-feira, com o fundador da empresa Tesla “futuros projetos industriais verdes, tais como a produção de veículos elétricos e baterias”, sem avançar pormenores.

Sem comentários

deixar um comentário