08 Outubro 2022, 17:36

Guterres pede compromisso de Moscovo e Kiev para travar ações militares em Zaporijia

mundoatual AdministratorKeymaster

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

O secretário-geral da ONU, António Guterres, pediu hoje que Rússia e Ucrânia se comprometam em travar atividades militares perto ou a partir da central nuclear de Zaporijia e que garantam um acordo por um perímetro desmilitarizado.

Numa reunião do Conselho de Segurança sobre a situação na central nuclear, convocada pela Rússia, Guterres declarou que o secretariado das Nações Unidas “orgulhosamente apoiou” a “missão crítica” da Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) em Zaporijia, mas frisou que continua “seriamente preocupado” com a situação dentro e ao redor daquelas instalações ucranianas, ocupadas pelas tropas russas.

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



“Qualquer ação que possa colocar em risco a integridade física, a segurança ou a proteção da central nuclear é inaceitável. Todos os esforços para restabelecer a central como infraestrutura puramente civil são vitais”, disse Guterres.

Nesse sentido, o secretário-geral da ONU pediu um compromisso por parte das forças russas, para retirar todo o pessoal e equipamentos militares daquele perímetro, e um compromisso das forças ucranianas, de não entrar naquela área.

Guterres aproveitou para lamentar o facto de que, no mês passado, a 10.ª Conferência de Revisão das Partes do Tratado de Não-Proliferação de Armas Nucleares não ter conseguido chegar a um consenso.

“O documento final procurou abordar a questão da segurança das centrais nucleares em zonas de conflito armado, inclusive na Ucrânia. Mas a Conferência não conseguiu chegar a um consenso para aproveitar a oportunidade para fortalecer o Tratado”, disse o ex-primeiro-ministro português.

Horas antes da reunião do Conselho de Segurança, a AIEA divulgou o seu relatório da visita à central de Zaporijia, no qual exigiu o estabelecimento de uma “zona de segurança” em redor daquela central nuclear ucraniana, para que se evite um acidente grave.

Perante as missões diplomáticas presentes no Conselho de Segurança, o diretor-geral da AIEA, Rafael Grossi, apresentou detalhes do relatório e afirmou que “estão a brincar com o fogo”.

Detalhando sete pilares do que considera ser fundamentais para a segurança das instalações, Grossi afirmou que o primeiro – dedicado à integridade física da central – “foi comprometido e continua a ser”.

“Vi isso pessoalmente e é inaceitável. Estão a brincar com o fogo e algo catastrófico pode acontecer. É por isso que pedimos a criação de uma zona de segurança na central de Zaporijia”, declarou, por videoconferência.

O segundo pilar referido por Grossi é que todos os sistemas e equipamentos da central deveriam estar totalmente funcionais e a operar normalmente.

“Mas vimos que estão a operar em circunstancias desafiadoras, com equipamento militar em várias áreas”, observou.

Também o ‘staff’ da central encontra-se a trabalhar em circunstâncias difíceis, com a AEIA a recomendar que os trabalhadores sejam ser autorizados a regressar “à sua rotina normal de responsabilidade e autoridade”, incluindo a receberam suporte familiar.

O quarto pilar referido por Grossi foi a necessidade de uma fonte de energia externa: “é crucial, porque, sem isso, a central pode perder funcionalidades cruciais, incluindo o arrefecimento de reatores. Sem isso, podemos ter um acidente nuclear”, alertou.

Grossi chamou ainda a atenção para a necessidade de cadeias logísticas e de transporte ininterruptas, uma vez que está em causa a maior central nuclear da Europa, que, “neste nível industrial”, requer um constante fluxo de equipamentos, mas que acabou interrompido pela guerra.

Em sexto lugar, o diplomata argentino destacou que os equipamentos de monitorização de radiação da central, fundamentais para se medir os níveis de radiação da mesma, foram afetados pelo conflito.

Por último, o diretor da AEIA alertou que, para um bom funcionamento, a central precisa de linhas de comunicação continuas e fidedignas com o regulador ucraniano e outras organizações. Contudo, “vimos repetidamente que estas linhas foram interrompidas”, disse.

Rafael Grossi, que liderou a visita de inspeção, afirmou que se tratou de “uma missão histórica” e que “permitiu fazer um relatório imparcial e técnico da situação”.

“As missões anteriores foram para apanhar os pedaços, mas esta missão foi para impedir que algo terrível aconteça”, declarou.

Esta é a terceira reunião do Conselho de Segurança sobre a Central de Zaporijia, após as reuniões sobre o assunto nos dias 11 e 23 de agosto, ambas solicitadas pela Rússia.

Tags

Sem comentários

deixar um comentário