09 Setembro 2022, 04:41

Homem de 24 anos identificado como agressor do escritor britânico Salman Rushdie

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Nova Iorque, Estados Unidos da América, 12 ago 2022 (Lusa) – O agressor do escritor britânico Salman Rushdie é um homem de 24 anos chamado Hadi Matar, que ainda está sob custódia, indicou hoje a polícia do estado norte-americano de Nova Iorque.


Numa conferência de imprensa pelas 17:00 locais (22:00 em Lisboa) para apresentar detalhes do ataque, a polícia afirmou não ter ainda informações sobre o motivo da agressão.


O porta-voz da polícia acrescentou que Hadi Matar deu a Rushdie pelo menos uma facada no pescoço e outra no abdómen, e que o escritor “ainda está na sala de cirurgia”, sem prestar, no entanto, qualquer informação sobre a condição de saúde do escritor.


Rushdie foi atacado quando estava a iniciar uma palestra em Chautauqua, Nova Iorque, “por volta das 11:00 [locais, 16:00 em Portugal Continental]”, indicou a polícia, acrescentado que o suspeito foi detido.


“Um suspeito subiu ao palco e atacou Rushdie e um apresentador. Rushdie sofreu uma aparente facada no pescoço, e foi transportado de helicóptero para um hospital local. O seu estado [de saúde] ainda não é conhecido”, lê-se numa mensagem publicada pela polícia de Nova Iorque logo após o ataque, no seu ‘site’.


Salman Rushdie é o autor de “Os Versículos Satânicos”, obra pela qual foi condenado à morte pelo Irão do líder religioso Ayatollah Khomeini, que emitiu uma ‘fatwa’ (decreto da lei islâmica) contra o escritor, distinguido com o prémio Booker.


O escritor chegou a viver em paradeiro desconhecido, sob segurança.


O Irão ofereceu então uma recompensa de três milhões de dólares a qualquer pessoa que assassinasse Rushdie.


O Governo do Irão há muito que se distanciou do decreto de Khomeini, mas o sentimento anti-Rushdie permanece.


Em 2012, uma fundação religiosa iraniana aumentou a recompensa pelo assassinato de Rushdie para 3,3 milhões de dólares.


Rushdie desvalorizou a ameaça na altura, dizendo que não havia “nenhuma prova” de que houvesse alguém interessado na recompensa.


Nesse ano, o escritor publicou o livro de memórias “Joseph Anton – Uma Memória”, sobre a ‘fatwa’.


Autor de cerca de duas dezenas de títulos, Rushdie recebeu o prémio Booker em 1981 por “Os Filhos da Meia-Noite”, também distinguido com o Booker of Bookers, em 1993, e, em 2008, o Best of the Booker.


“O Último Suspiro do Mouro” valeu-lhe o prémio Withbread, em 1995, e o Prémio Literatura da União Europeia, em 1996.


Salman Rushdie fixou-se na cidade de Nova Iorque, há cerca de 20 anos, e hoje tinha prevista uma intervenção na Instituição Chautauqua, um centro cultural situado no Oeste do estado de Nova Iorque.


Salman Rushdie é publicado em Portugal pela Dom Quixote.



MYMM (MAG) // JH


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário