12 Agosto 2022, 17:50

Homem detido com 2,56 de alcoolemia em Vila do Conde apresenta queixa contra PSP

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Vila do Conde, Porto, 12 dez 2020 (Lusa) — Um homem detido pela PSP por conduzir com 2,56g/l de taxa de alcoolemia na madrugada de 06 de dezembro, em Vila do Conde, apresentou denúncia no dia seguinte, alegando uso excessivo de força, estando a decorrer uma averiguação interna.


Em comunicado hoje divulgado, a PSP revelou que a detenção ocorreu à 01:38 após o veículo, que circulava sem as luzes ligadas, ter sido mandado parar. Apercebendo-se na abordagem os agentes do “comportamento” e “odor exalado”, o condutor foi então submetido a teste de alcoolemia.


O referido teste, prossegue a nota de imprensa, registou uma taxa de “2,56g/l, o que constitui a prática de crime, nos termos do Código de Estrada”, tendo ainda apurado a PSP que o cidadão fora “anteriormente detido pelos mesmos motivos”.


Após lhe ter sido dada ordem de detenção pelo crime de condução sob o efeito de álcool, pois apresentava uma taxa “superior a 1.20g/l”, o condutor “tentou sair da instalação policial e reagiu de forma agressiva contra os polícias, quando foi impedido de o fazer”, acrescenta a PSP, detalhando que procedeu “à sua restrição e algemagem”.


Cerca das 03:45, depois de “notificado para comparecer em tribunal e demais procedimentos que decorrem da detenção”, o homem “saiu livremente da instalação policial, tendo prescindido de contacto com os familiares e defensor, bem como de observação médica”, continua o comunicado.


No dia 07 de dezembro, pelas 12:55, numa esquadra do Comando Metropolitano do Porto, o homem apresentou “uma denúncia contra os polícias que o detiveram no dia anterior, por alegado uso excessivo de força”, revela a PSP.


Dessa denúncia, prossegue a Polícia, “foi elaborado o respetivo auto que, como decorre da lei, foi remetido à autoridade judiciária competente” e “instaurado um inquérito, pelo Comando Metropolitano do Porto, para apuramento dos factos e dos contornos da ocorrência registada”, pode ler-se ainda.



JFO // PJA


Lusa/fim

Sem comentários

deixar um comentário