17 Setembro 2021, 07:13

Incêndios: Dispositivo de combate volta hoje a ser reforçado com mais 9.600 operacionais

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Lisboa, 01 jun 2021 (Lusa) — O dispositivo de combate a incêndios rurais volta hoje a ser reforçado, passando a estar no terreno 9.679 operacionais e 60 meios aéreos.


Segundo a Diretiva Operacional Nacional (DON), que estabelece o Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais (DECIR) para 2021, os meios são reforçados hoje pela segunda vez este ano, situando-se no denominado “nível III”, que termina a 30 de junho.


Durante este período, vão estar no terreno 9.679 operacionais, que integram 2.230 equipas, e 2.223 viaturas dos vários agentes presentes no terreno, além de 60 meios aéreos.


Entre os meios, a DON prevê, para este período, cerca de 4.266 elementos de bombeiros voluntários, 240 operacionais da Força Especial de Proteção Civil e 2.176 da GNR, em que se incluem os guardas-florestais, além de cerca de 2.000 sapadores florestais.


No âmbito do DECIR está já em funcionamento, desde o dia 07 de maio, a Rede Nacional de Postos de Vigia, composta por 77 postos de vigia para prevenir e detetar incêndios.


Os meios de combate voltarão a ser reforçados em 01 de julho, para a que é considerada a fase mais crítica de incêndios, sendo o período que mobiliza o maior dispositivo, estando este ano em prontidão 12.058 operacionais, 2.795 equipas, 2.656 veículos e 60 meios aéreos.


Segundo a Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), o dispositivo de combate conta este ano com mais 200 operacionais na fase mais crítica.


O combate aos incêndios rurais vai contar este ano com um novo instrumento para melhorar a coordenação entre as entidades envolvidas na deteção e vigilância dos fogos, denominada Diretiva Integrada de Deteção e Vigilância de Incêndios Rurais que vai ficar na tutela da Guarda Nacional Republicana.


Dados provisórios do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) dão conta de que se registaram, entre 01 de janeiro e 29 maio, 2.635 ocorrências de incêndios rurais, que resultaram em 8.567 hectares de área ardida, 82% dos quais referente a matos, 16% a povoamentos florestais e 2% a terrenos agrícolas.



CMP // JMR


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário