13 Maio 2022, 19:56

Infraestruturas de Portugal investe mais de 108 ME em conservação de estradas

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Redação, 06 mai 2022 (Lusa) — A Infraestruturas de Portugal (IP) vai investir mais de 108 milhões de euros em conservação corrente da rede rodoviária nacional ao longo dos próximos três anos, segundo um comunicado hoje divulgado.


Na nota, a IP informou que “consignou, no início de maio, 18 contratos no valor global de 108,5 milhões de euros, para a execução de trabalhos de Conservação Corrente da Rede Rodoviária Nacional (RRN) ao longo dos próximos três anos”.


De acordo com a empresa, estes contratos, “um por cada distrito e ajustados às diferentes características da rede vária de cada região, asseguram a realização de trabalhos regulares de requalificação e manutenção nos mais de 14 mil quilómetros de estradas a nível nacional”.


Estas vias estão sob gestão direta da IP, sendo que os trabalhos “têm por objetivo a promoção da manutenção e conservação de todos os elementos/componentes constituintes das estradas objeto do contrato e obras de arte nelas integradas”.


De acordo com a IP, “nestes contratos incluem-se todas as atividades rotineiras de conservação, tanto de caráter curativo como preventivo, de forma a oferecer aos utentes da rede melhores condições de conforto na circulação, agradabilidade de percursos nos itinerários percorridos, e maiores condições de segurança rodoviária”.


A empresa detalhou ainda que a “maior percentagem dos contratos continua a estar afeta à gestão de pavimentos (38,2 milhões de euros, 35%), seguida das atividades ambientais (22,9 milhões de euros, 21%), sendo que o investimento em conservação de pavimentos subiu cerca de 3% face ao triénio anterior”.


Paralelamente, “o investimento em atividades de segurança mantém-se em cerca de 10,4%, enquanto as atividades de operação, fiscalização e assistência têm um acréscimo de 2% face ao anterior triénio, sendo agora a quarta atividade com maior investimento”, disse a IP.



ALYN // CSJ


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário