03 Dezembro 2021, 00:51

Instabilidade do sistema escolar na Guiné-Bissau atrasa currículos sobre práticas nefastas – ONG

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Bissau, 21 mai 2021 (Lusa) – A instabilidade do sistema escolar na Guiné-Bissau, marcado por greves dos professores, está a atrasar a introdução de novos currículos sobre as práticas nefastas à saúde, disse a presidente do comité para o abandono daquelas práticas.


Fatumata Djau Baldé, antiga ministra dos Negócios Estrangeiros guineense e “rosto” do combate da Mutilação Genital Feminina (MGF), explicou à Lusa que os novos currículos foram adotados pela Guiné-Bissau desde 2017, mas até agora não são aplicados.


Além da MGF, o novo currículo escolar deveria ensinar e demonstrar as consequências do casamento forçado ou precoce, da falta de escolarização das raparigas, da forma tradicional da herança, entre outras práticas nefastas à saúde, sobretudo da mulher e criança, enfatizou Fatumata Djau Baldé.


“Com esta instabilidade (no sistema do ensino), com as greves dos professores, essa parte do currículo nem sequer é abordada nas escolas”, lamentou a presidente do Comité Nacional para o Abandono às Práticas Nefastas à Saúde da Mulher e Criança que junta dezenas de organizações não-governamentais e associações.


A responsável disse contentar-se com o facto de o currículo estar a ser ministrado nas escolas de formação de profissionais da saúde “já com algum resultado”, nomeadamente, na deteção, nos hospitais e centros de saúde, de casos de MGF, disse.


Como estratégia de disseminação dos novos conteúdos, Fatumata Djau Baldé e a sua equipa têm estado a trabalhar com os centros de formação de professores na esperança de que sejam divulgadores assim que iniciarem a docência.


A líder do comité acredita que ensinar sobre as práticas nefastas e as suas consequências nas escolas “é o caminho certo” para desencorajá-las e ainda ajudar as vítimas das mesmas a mudarem a mentalidade.


“Olhemos para as regiões de Gabu ou Bafatá onde, por exemplo, quase 50% das mulheres querem que a Mutilação Genital Feminina continue. Qual é o nível de escolaridade dessas mulheres”, questionou.


Fatumata Djau Baldé referiu que nos casos de Bissau e de Bolama, no sul, a perspetiva das mulheres sobre a MGF “já é outra”.


Por tudo isso, a responsável apela ao Estado e aos sindicatos dos professores para se entenderem e terem em conta os problemas que a instabilidade no setor do ensino está a causar às crianças e mulheres do país.



MB // VM


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário