09 Setembro 2022, 08:41

Investigadores italianos descobrem vacina contra o cancro

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



Um grupo de investigação italiano descobriu uma vacina contra o cancro capaz de desencadear respostas imunitárias aos tumores e que pode aumentar a eficácia dos medicamentos da terapia imunológica, divulgou hoje a agência de notícias ANSA.

A descoberta foi feita por investigadores da Armenise-Harvard do Instituto Italiano de Medicina Genómica (IIGM) que explicaram que a vacina instrui o sistema imunológico a reconhecer as células cancerígenas.

A vacina revelou-se eficaz, em associação com um medicamento para a imunoterapia, em 12 doentes com um subtipo de cancro do cólon na fase metastática, refere a agência de notícias italiana.

“Considero que a técnica para a realização destas vacinas foi decididamente comprovada e que os dados obtidos nos primeiros ensaios clínicos são muito promissores”, afirmou a diretora do laboratório Armenise-Harvard, Luigia Pace.

Segundo Luigia Pace, “existe agora uma possibilidade concreta de criar novas vacinas que serão eficazes contra muitos outros tipos de cancro”.

A descoberta, que foi realizada em colaboração com a empresa suíça/italiana de biotecnologia Nouscom, foi descrita num artigo publicado na revista Science Translational Medicine.

A equipa de investigação está sediada na Fundação de Oncologia do Piedmont, em Candiolo, nos arredores de Turim.

Sem comentários

deixar um comentário