04 Fevereiro 2023, 15:08

Investimento em energias ‘verdes’ cresce 50% desde outubro e ultrapassa 653.000 ME — AIE

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Paris, 12 abr 2022 (Lusa) – O investimento em energias ‘verdes’ no âmbito dos planos de recuperação da crise da covid-19 cresceu 50% nos últimos cinco meses e ultrapassou os 653.000 milhões de euros a nível mundial, disse hoje a Agência Internacional de Energia (AIE).


No relatório de avaliação publicado pela AIE, a agência destacou que estes valores “sem precedentes” são mais de 40% superiores aos investimentos ecológicos compreendidos nos planos de estímulo dos governos após a crise financeira de 2008.


No entanto, a AIE alertou que o valor esconde alguns desequilíbrios, nomeadamente o de serem as economias avançadas responsáveis pela maior parte do esforço, com 340.000 milhões de euros previstos para o efeito até final de 2023.


A organização considera que aquele nível de investimento é “consistente” com o necessário para atingir a meta de zero emissões líquidas de dióxido de carbono (CO2) até 2050.


Em contrapartida, espera-se que economias emergentes e em desenvolvimento gastem apenas cerca de 47.000 milhões de euros, até o final do próximo ano, “um valor muito menor do que o necessário para alcançar um caminho para emissões líquidas zero em 2050”, enfatizou a agência.


Para a AIE, é muito pouco provável que a diferença entre as economias avançadas e as emergentes se reduza no curto prazo, já que governos com recursos orçamentais limitados agora enfrentam o desafio de manter alimentos e combustíveis acessíveis para os cidadãos, num contexto inflacionista devido à invasão russa da Ucrânia.


“Os países onde a energia ‘verde’ está no centro dos planos de recuperação mantêm viva a possibilidade de atingir emissões líquidas zero até 2050, mas as condições financeiras e económicas minaram os recursos públicos em grande parte dos restantes países do mundo”, considerou, em comunicado, o diretor executivo da AIE, Fatih Birol.


O responsável insistiu que “o mundo precisa de aumentar massivamente os seus esforços de implantação de energia limpa ao longo desta década, especialmente nas economias em desenvolvimento”, para “manter a esperança de limitar o aumento da temperatura global a 1,5 graus”.



MPE // CSJ


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário