16 Agosto 2022, 14:33

Johnson critica China por não cumprir obrigações em relação a Hong Kong

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

O primeiro-ministro britânico disse hoje que o 25º aniversário da entrega de Hong Kong à China é motivo de “celebração, não de tristeza”, mas criticou Pequim por “não cumprir” as suas obrigações para com a ex-colónia britânica.

A China “entusiasticamente comprometeu-se com o princípio ‘um país, dois sistemas’. Isso significava que, embora muitas coisas mudassem à superfície, as bases sobre as quais Hong Kong assenta permaneceriam praticamente intocadas”, disse Boris Johnson, numa mensagem difundida através da rede social Twitter, um dia depois de se cumprirem 25 anos desde que a soberania do território foi transferida.

Isto perdurou durante um período, que permitiu à cidade continuar a “prosperar e florescer”, mas, neste 25º aniversário, “simplesmente não podemos omitir o facto de que, desde há algum tempo, Pequim renega as suas obrigações”.

“O atual estado de coisas ameaça os direitos e as liberdades do povo de Hong Kong e o seu progresso e prosperidade contínuos”, salientou o chefe do governo do Reino Unido.

“Há 25 anos fizemos uma promessa ao território e ao seu povo e pretendemos cumpri-la, fazendo tudo o que estiver ao nosso alcance para que a China honre os seus compromissos, para que Hong Kong volte a ser gerida pelo povo de Hong Kong e para o povo de Hong Kong”, afirmou Johnson.

Em 1997, a China assumiu o controlo de Hong Kong sob o princípio ‘um país, dois sistemas’, que permitiria manter os sistemas económico, político e judicial da cidade, distintos do sistema político que vigora na China continental, durante um período de 50 anos.

Mas uma polémica lei de segurança nacional e outras medidas relativas ao executivo de Hong Kong aproximaram o sistema judicial e o político do território aos existentes na China continental.

A lei de segurança nacional, aprovada por Pequim em 2020, prevê penas de prisão perpétua para casos de secessão, terrorismo ou conluio com forças estrangeiras, entre outros.

Desde então foram detidos, ao abrigo daquela lei, dezenas de ativistas, políticos da oposição, jornalistas e académicos em Hong Kong, colocando um fim ao movimento pró-democracia que começou em 2019.

Sem comentários

deixar um comentário