04 Dezembro 2021, 05:58

Jornalista e bloguer guineense sequestrado e espancado – Liga dos Direitos Humanos

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Bissau, 09 mar 2021 (Lusa) – A Liga Guineense dos Direitos Humanos disse hoje estar a acompanhar com “bastante preocupação” informações que indicam que o jornalista e editor do blogue “Ditadura de Consenso”, Aly Silva, foi sequestrado, espancando e abandonado em Bissau.


“Neste momento, o jornalista está a receber tratamento médico numa clínica privada, em Bissau”, refere a organização não-governamental dos direitos humanos, em comunicado divulgado na rede social Facebook.


A Liga Guineense dos Direitos Humanos refere também que já contactou as autoridades policiais que afirmaram “desconhecer as circunstâncias que rodearam aquele ato criminoso”.


“A Guiné-Bissau é um Estado de Direito democrático onde a liberdade de expressão e de informação constitui a trave-mestra, sendo que qualquer delito resultante do exercício desse direito fundamental deve ser processado nos termos das leis vigentes no país”, salienta.


A Liga Guineense dos Direitos Humanos condena aquele “ato criminoso e exige das autoridades nacionais a abertura de um inquérito com vista à identificação e tradução à justiça dos autores daquele ato hediondo”.


A organização não-governamental apela também aos cidadãos do país para se “manterem firmes e vigilantes contra todos os atos que atentam contra os direitos fundamentais”.


Várias pessoas contactadas pela Lusa indicaram que António Aly Silva, que foi jornalista em Portugal, no jornal Independente, foi raptado, sequestrado e largado em Bolola, na zona industrial de Bissau.


Várias organizações da sociedade civil têm denunciado várias violações dos direitos humanos contra ativistas, políticos, deputados e jornalistas e órgãos de comunicação social.


Um dos casos mais recentes foi o de dois ativistas políticos do Movimento para a Alternância Democrática (Madem G15), segunda força política do país e que integra a coligação no Governo, que denunciaram publicamente terem sido espancados alegadamente por guardas da Presidência guineense, dentro do Palácio Presidencial, um caso a que o Ministério Público guineense ainda não deu seguimento, de acordo com a Liga dos Direitos Humanos.



MSE // VM


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário