26 Dezembro 2022, 12:06

Justiça dos EUA vai averiguar falhas de segurança no ataque ao Capitólio

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Washington, 15 jan 2021 (Lusa) — A Inspeção-Geral do Departamento de Justiça dos EUA anunciou hoje que vai investigar eventuais falhas cometidas pelas agências de segurança na preparação e resposta ao ataque ao Capitólio, na passada semana.


A investigação do gabinete do inspetor-geral examinará se as informações sobre os riscos de violência foram partilhadas pelo Departamento de Justiça com outras agências, incluindo a Polícia do Capitólio, no dia em que o Congresso ratificava a vitória eleitoral do candidato presidencial democrata, Joe Biden.


O inspetor-geral disse que “também avaliará se há alguma fragilidade nos protocolos, políticas ou procedimentos do Departamento de Justiça, que possam ter afetado negativamente a capacidade das suas agências para se prepararem de forma eficaz e para responderem aos eventos no Capitólio dos EUA em 06 de janeiro”.


A investigação revela uma suspeita dentro da comunidade de serviços de segurança de que houve uma falha na prevenção e na resposta ao ataque ao Capitólio, realizada por apoiantes do Presidente cessante, Donald Trump.


É provável que a investigação também inclua uma avaliação dos elementos de informação que o Departamento de Justiça – e particularmente o FBI – coligiu antes e depois do motim, após este corpo de segurança ter admitido que um dos seus gabinetes compilou um boletim interno que alertava sobre o potencial de violência dirigida ao Congresso.


O jornal Washington Post, que foi o primeiro a noticiar a existência do relatório de 05 de janeiro do departamento do FBI em Norfolk, disse que o boletim relatava pormenores de ameaças de extremistas para cometerem “atos de guerra”.


O departamento do FBI em Washington disse que, assim que recebeu o aviso de 05 de janeiro, a informação foi rapidamente compartilhada com outras agências, através dos mecanismos das agências de combate ao terrorismo nos EUA.



RJP // ANP


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário