17 Agosto 2022, 05:29

Kamala Harris defende fim de violência armada nos EUA em local de tiroteio fatal

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



A vice-Presidente dos Estados Unidos disse na terça-feira, na sequência do tiroteio que fez vários mortos em Highland Park, nos subúrbios de Chicago, que os episódios de violência armada no país “têm de acabar”.

“Ontem [segunda-feira] deveria ter sido um dia de reunião com a família e amigos para celebrar a independência da nossa nação. Em vez disso, essa comunidade sofreu uma tragédia violenta. (…) Temos de acabar com este horror. Temos de acabar com esta violência”, disse Kamala Harris durante uma visita a Chicago, no estado de Illinois.

Harris conversou com familiares e amigos das vítimas do tiroteio, dizendo que “não há dúvida” que este trauma “vai perdurar”.

“Há uma longa cura que terá de acontecer, tanto física quanto emocional”, acrescentou.

Nesse sentido, a vice-Presidente afirmou que a população norte-americana concorda que é necessário “ser-se mais inteligente enquanto país”, para enfrentar o debate sobre a regulamentação da venda de armas de fogo.

Kamala Harris apelou ao Congresso dos Estados Unidos para “ter a coragem” de agir, proibindo as armas de assalto nos EUA.

Na segunda-feira, durante um desfile do Dia da Independência, um jovem de 21 anos disparou mais de 70 tiros do cimo de um prédio, matando pelo menos sete pessoas.

De acordo com as autoridades, o presumível autor do ataque comprou legalmente duas espingardas e outras três armas, apesar de ter um historial de problemas mentais.

O suspeito, Robert Crimo, de 21 anos, com a alcunha de ‘Bobby’, foi encontrado a cerca de oito quilómetros do local do crime.

Sem comentários

deixar um comentário