08 Outubro 2022, 11:31

Kiev reivindica reconquista de mais de 20 localidades às forças russas

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



O Exército ucraniano disse hoje ter reconquistado mais de 20 localidades controladas por Moscovo na região de Kharkiv, onde reclama ter avançado 50 quilómetros nas defesas russas.

“Unidades militares penetraram nas defesas inimigas por 50 quilómetros. Durante as operações ativas em direção a Kharkiv, mais de 20 localidades foram libertadas”, explicou Oleksiy Gromov, um oficial ucraniano, durante uma conferência de imprensa.

Na noite de quarta-feira, o Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, já tinha anunciado avanços nesta região fronteiriça com a Rússia, cuja capital Kharkiv, a segunda maior cidade do país, resiste às tropas de Moscovo desde o início da invasão, em 24 de fevereiro.

Zelensky assegurou ainda que, no sul do país, “em certas direções”, o exército ucraniano “avançou profundamente nas defesas inimigas, entre dois e várias dezenas de quilómetros”, dependendo do setor.

No Donbass, os soldados ucranianos avançaram igualmente dois e três quilómetros em redor das cidades que ainda mantêm sob controlo, Kramatorsk e Sloviansk, recuperando a localidade de Ozerne, que estava em posse dos russos, segundo Gromov.

A ofensiva militar lançada a 24 de fevereiro pela Rússia na Ucrânia causou já a fuga de mais de 13 milhões de pessoas — mais de seis milhões de deslocados internos e mais de sete milhões para os países vizinhos -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

A invasão russa — justificada por Putin com a necessidade de “desnazificar” e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia – foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções políticas e económicas.

Sem comentários

deixar um comentário