08 Outubro 2022, 18:11

Klopp ‘culpa’ treinadores da formação pelo sucesso dos futebolistas portugueses

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



O treinador do Liverpool, o alemão Jürgen Klopp, responsabilizou hoje os treinadores das camadas jovens pelo sucesso dos futebolistas portugueses, numa intervenção gravada no fórum Football Talks.

Questionado sobre o que aprecia nos futebolistas portugueses, o técnico, que comanda os avançados lusos Diogo Jota e Fábio Carvalho nos ‘reds’, elogiou a competitividade, mas destacou o papel dos treinadores.

“Aprecio a educação de topo em termos de futebol. Regra geral, são incrivelmente bem treinados na formação e, porventura, também na transição para o futebol sénior. Quando pensamos em jogadores de topo, o Cristiano [Ronaldo] e também o Bernardo [Silva] fazem de Portugal um país impressionante no futebol”, referiu.

O campeão europeu em 2018/19 apresentou-se como possível exemplo de um jogador subaproveitado.

“Eu fui um jogador mediano, mas podia ter sido melhor. O meu treinador era o carteiro — com todo o respeito por ele –, mas só nos mandava correr. Se calhar, se tivesse tido outro tipo de acompanhamento, teria mais sido diferente”, disse.

Também o contexto social foi indicado por Klopp como fulcral nesta diferença.

“Uma vez vim a Portugal e, por curiosidade, fui ver o sítio onde o Figo cresceu. E, entre os prédios, num bairro humilde, estava lá um campo, um campo de futebol de cinco, com luzes, para as crianças poderem jogar à noite. Na Alemanha, os vizinhos nunca permitiriam que isso acontecesse sem protestarem, por causa do barulho”, detalhou.

Na sua breve intervenção no fórum organizado pela Federação Portuguesa de Futebol (FPF), na segunda-feira e hoje, Klopp assumiu-se favorável ao recurso à tecnologia no jogo, sem que isso mude o seu caráter humano, e a uma maior penalização das perdas de tempo em campo, tendo em vista o aumento do tempo útil de jogo.

“O jogo evoluiu muito e está na direção certa, já o alarido em torno dele não tenho tanta certeza”, rematou.

O Football Talks termina hoje, naquele que é o segundo dia de um fórum assente em temas relacionados com os cinco pilares estratégicos identificados no Plano Futebol 2030 da FPF: Infância e Crescimento, Futebol para Todos e Todas, Qualidade do Jogo, Envolvimento e Sustentabilidade do Ecossistema.

Sem comentários

deixar um comentário