10 Setembro 2022, 05:15

Kremlin garante que negociar solução para conflito na Ucrânia só se for sob condições russas

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



A Presidência russa só negociará uma solução para o conflito na Ucrânia se for sob as suas condições, garantiu hoje o porta-voz do Kremlin, reagindo às declarações do antigo chanceler alemão Gerhard Schröder de que Moscovo quer negociar.

“A Rússia está pronta para uma solução negociada sob as suas condições”, afirmou Dmitri Peskov, durante a sua conferência de imprensa diária.

O porta-voz do Kremlin respondia a uma pergunta sobre declarações recentes do antigo chanceler alemão Gerhard Schröder, figura classificada como próxima do Presidente russo, que afirmou, depois de uma visita a Moscovo, que a Rússia quer uma “solução negociada” para o conflito na Ucrânia.

“A boa notícia é que o Kremlin quer uma solução negociada”, disse Schröder, numa entrevista ao semanário Stern, na qual confirmou ter-se encontrado com o Presidente russo, Vladimir Putin, em Moscovo, na semana passada.

De acordo com Peskov, as condições de Moscovo para o fim da campanha militar no território ucraniano “são bem conhecidas”.

“Estas condições foram acordadas em Istambul pelos negociadores de ambas as partes”, disse o porta-voz do Kremlin, referindo-se à última reunião, que decorreu em março, entre representantes russos e ucranianos.

“Depois disso, o lado ucraniano já rejeitou o que foi acordado e abandonou as negociações”, acusou o representante.

Ainda questionado sobre se Schröder poderia servir de mediador entre a Rússia e a Ucrânia para novas negociações, Peskov assegurou que o político alemão não tinha manifestado tal desejo.

Schröder está a ser duramente criticado pela sua família política, o Partido Social-Democrata da Alemanha (SPD), por causa dos seus laços, no passado e na atualidade, com Putin, que o antigo chanceler defende não ter motivos para quebrar.

Devido às pressões desencadeadas pela guerra na Ucrânia, Schröder anunciou no final de maio a sua demissão de um lugar no conselho de administração do consórcio russo Gazprom para o qual foi nomeado e onde deveria tomar posse em junho. Deixou também a presidência do conselho de administração da petrolífera russa Rosneft, cargo que ocupava desde 2017.

Sem comentários

deixar um comentário