18 Janeiro 2022, 08:12

Legislativas: Costa critica Rio e alerta para o perigo de Chega influenciar partidos democráticos

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

O secretário-geral do PS criticou ontem o presidente do PSD, considerando que não se demarca suficientemente de André Ventura, e alertou para o perigo de forças como o Chega terem capacidade para influenciar partidos democráticos.

Estas posições foram transmitidas quer antes quer ao longo do próprio debate que António Costa e André Ventura travaram na RTP, em que o secretário-geral do PS e primeiro-ministro não esclareceu em que medida admite entendimentos com um eventual Governo minoritário do PSD.

No início do frente-a-frente, dirigindo-se ao deputado único presidente do Chega, fez uma referência indireta ao presidente do PSD: “Eu não estou aqui nem para o moderar nem para o mitigar”.

No final do debate, com cerca de 25 minutos, o secretário-geral do PS voltou à carga contra o alegado posicionamento do PSD em relação ao Chega.

“O grande perigo dos partidos como o Chega é quando começam a ter capacidade de condicionar e influenciar os partidos democráticos, e quando começam aqui a baralhar. Vimos ontem [na quinta-feira] o senhor deputado André Ventura, que é bem falante, já conseguiu até convencer o doutor Rui Rio que a prisão perpétua não é bem prisão perpétua”, disse.

Por sua vez, o presidente do Chega prometeu tudo fazer para tirar António Costa e o PS da governação do país, depois de questionado até que ponto estava disponível para ceder, visando viabilizar um Governo do PSD.

“O Chega, neste momento, tem um grande objetivo: tirar António Costa da governação e o PS. E a razão é simples e ficou hoje aqui claro. Faremos todos os sacrifícios que for preciso para isso”, declarou.

Mas isso, completou André Ventura, não significa que o seu partido abandona as suas revindicações.

“Temos de olhar para o eleitorado, ver a força de cada um e que medidas é que podem trazer”, acrescentou.

 

Sem comentários

deixar um comentário