09 Setembro 2022, 09:36

Letónia declara a Rússia como um Estado patrocinador do terrorismo

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



O parlamento da Letónia declarou hoje a Rússia como um Estado patrocinador do terrorismo pela sua violência na Ucrânia e apelou para que a União Europeia (UE) restrinja os vistos turísticos a cidadãos russos e bielorrussos.

Num comunicado divulgado na sua página na Internet, o parlamento letão acusou as forças russas de perpetrarem todo o tipo de atrocidades desde que invadiram a Ucrânia, em 24 de fevereiro, equiparando a violência contra civis ao terrorismo.

O parlamento de Riga “reconhece a Rússia como um patrocinador estatal do terrorismo”, lê-se na declaração assinada pela presidente do órgão legislativo do país báltico, Inara Murniece.

Para os deputados da Letónia, a Rússia “usa o sofrimento e a intimidação como instrumentos nas suas tentativas de enfraquecer o moral do povo e das forças armadas ucranianas, e de paralisar o funcionamento do Estado a fim de ocupar a Ucrânia”.

Citado no comunicado, o presidente da comissão parlamentar dos Negócios Estrangeiros, Rihards Kols, alegou que a Rússia “tem apoiado e financiado regimes e organizações terroristas durante muitos anos” e está agora a aplicar as mesmas “táticas impiedosas, imorais e ilegais” na Ucrânia.

Kols acusou também as forças russas de alegadamente usarem armas proibidas e exercerem uma “brutalidade desproporcionada” na Ucrânia.

O parlamento letão, com 100 deputados, exortou outros países que partilham esta opinião “para que a expressem”.

O ministro dos Negócios Estrangeiros ucraniano, Dmytro Kuleba, já reagiu À declaração do parlamento letão, que considerou oportuna.

“A Rússia há muito que merece este estatuto pelas suas ações na Ucrânia e não só”, disse Kuleba, citado pela agência francesa AFP.

Kuleba apelou a “outros países e organizações” para seguirem a posição dos deputados da Letónia.

Na declaração, os deputados também se juntaram ao apelo do Governo letão para que os países da UE suspendam a emissão de vistos turísticos a cidadãos da Rússia e da Bielorrússia, um país aliado de Moscovo na guerra na Ucrânia.

A Estónia, a Letónia e a Finlândia defenderam esta semana a suspensão da emissão de vistos a turistas russos, alegando que “viajar para a Europa é um privilégio, não um direito humano”, como declarou a primeira-ministra estónia, Kaja Kallas.

Numa entrevista divulgada na segunda-feira pelo jornal norte-americano The Washington Post, o Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, sugeriu que a medida contra os turistas russos deveria ser adotada por todos os países ocidentais.

A Rússia criticou estes apelos, considerando-os irracionais.

Os países ocidentais têm decretado sucessivos pacotes de sanções económicas contra a Rússia por ter invadido a Ucrânia.

Vários países também têm fornecido armas à Ucrânia para combater as forças russas.

Sem comentários

deixar um comentário