30 Novembro 2021, 02:49

Lisboa apoiou a fundo perdido 264 entidades da Cultura no valor de 1,5 ME

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

A Câmara de Lisboa apoiou a fundo perdido, até ao final de março, 264 entidades do setor da cultura, no valor de 1,5 milhões de euros.

O Município informou que a verba de dois milhões de euros destinada ao setor cultural ainda não foi esgotada, sendo que até 30 de março foram pagos apoios no valor de 1,5 milhões de euros.

As candidaturas ao Programa Lisboa Protege, criado para responder à crise provocada pela pandemia de Covid-19 e que inicialmente terminavam no final de março, foram prolongadas até 30 de junho de 2021.

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



Para fazer face à pandemia, a Câmara de Lisboa, liderada pelo socialista Fernando Medina, decidiu também reforçar a contratação da programação cultural EGEAC (empresa municipal de gestão cultural), num investimento de 5,9 milhões de euros.

Foram também anunciados apoios às salas e clubes de programação de música ao vivo, no valor de 600 mil euros.

Este valor foi, segundo a Câmara, totalmente atribuído em novembro do ano passado, abrangendo “12 espaços de música ao vivo”.

A autarquia apoiou também a Casa do Alentejo, no valor de 180 mil euros, assim como as livrarias independentes com a aquisição de 289 mil euros em livros em 17 livrarias independentes, em dezembro.

Foram ainda dados apoios a 31 estabelecimentos e cerca de 200 artistas das Casas de Fado, num investimento municipal de 685 mil euros, avança a autarquia.

O reforço do fundo de aquisições na área das artes visuais e do livro também já foi feito e concluído, através de apoios que totalizam mais de 660 mil euros.

No que toca ao Fundo de emergência Social Cultura, reforçado entre abril e junho de 2020, a Câmara refere que contemplou um “apoio total superior a 1.425.000 euros”, abrangendo “mais de 1.400 profissionais do setor cultural”.

Sem comentários

deixar um comentário