09 Setembro 2022, 14:55

Lisboa na Rua regressa a partir de 19 de agosto com espetáculos ao ar livre

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



A iniciativa Lisboa na Rua regressa de 19 de agosto a 18 de setembro, com tardes de dança, serões de cinema, espetáculos e festivais ao ar livre, e com a celebração dos 200 anos de independência do Brasil.

De acordo com a Empresa de Gestão de Equipamentos e Animação Cultural (EGEAC) da Câmara Municipal de Lisboa, promotora da iniciativa, haverá também “propostas diferentes e algumas surpresas nesta programação que este ano leva para a rua a Literatura e a Poesia de autores como José Saramago e João Monge, festeja os 200 anos da independência do Brasil com a Filarmônica de Minas Gerais e devolve a magia ao Vale do Silêncio, com um novo concerto da Orquestra Gulbenkian”.

A programação deste ano do Lisboa na Rua abre com o Festival Solo Fest, que leva ao Castelo de São Jorge duas noites de atuações intimistas, entre o Teatro, a Dança e a Música: no primeiro dia, o ator Miguel Sermão interpreta “Por Ele”, uma comédia sobre a vida conjugal, e a ‘cantautora’ Mafalda Veiga revisita alguns dos seus temas mais conhecidos, algumas versões de bandas como The Beatles ou de David Bowie, e apresenta outras inéditas; no dia 20, é a vez do espetáculo de dança “Kodé Di Dona”, com Mano Preto, numa homenagem ao poeta, compositor e historiador cabo-verdiano, e do concerto da violoncelista e cantora cubana Ana Carla Maza.

Os últimos dias de agosto serão preenchidos com os festivais Lisboa Mágica e Lisboa Soa.

O primeiro festival traz 15 artistas e 158 espetáculos, repartidos por 10 locais da cidade, enquanto o segundo, sob o mote da Reinvenção, se divide entre as Carpintarias de São Lázaro e o Museu de Lisboa – Teatro Romano, com instalações, performances e ‘workshops’.

No dia 10 de setembro, a música clássica regressa ao Vale do Silêncio, nos Olivais, para o espetáculo musical “Uma Noite no Vale”, com a Orquestra Gulbenkian, sob a direção do maestro Diogo Costa, e com a participação de solistas convidados.

“Um grande espetáculo” pensado para aquele parque verde, cujo repertório cruza a música sinfónica com árias favoritas de ópera, opereta e teatro musical, de compositores como Manuel de Falla, Jules Massenet, George Gershwin e Leonard Bernstein, autor do famoso musical “West Side Story”, destaca a EGEAC.

Estão previstas ainda as atuações de mais duas orquestras, a primeira das quais – Orquestra Filarmônica de Minas Gerais – celebra o bicentenário da independência do Brasil com um concerto que terá lugar no dia 7, nos jardins da Torre de Belém.

A segunda é a Lisbon Poetry Orchestra, que se apresenta a 17 de setembro, no Castelo de São Jorge, com o seu último trabalho, intitulado “Os Surrealistas”.

No Museu de Lisboa – Palácio Pimenta, terá lugar, no dia 3, a partir das 21:00, um cineconcerto com o filme de Manuel Luís Vieira “O Fauno das Montanhas” (1926), apresentado em cópia digital restaurada pela Cinemateca Portuguesa – Museu do Cinema, acompanhado ao vivo pela Orquestra Metropolitana de Lisboa.

O mesmo museu será palco, no dia 17, do espetáculo “A Voz e a Alma”, protagonizado pelo fadista Helder Moutinho e pela atriz Maria João Luís, que cantam, declamam e interpretam a poesia de João Monge.

A literatura será homenageada também neste Lisboa na Rua, através do romance “Memorial do Convento”, de José Saramago, com uma adaptação teatral livre da Trigo Limpo – Teatro ACERT, intitulada “A Passarola”, que se apresenta no dia 3, a partir das 21:30, no Largo José Saramago, no Campo das Cebolas, junto à sede da Fundação com o nome do escritor, de quem este ano se assinala o centenário do nascimento.

No dia 18, pelas 17:00, no Jardim do Palácio das Galveias, estreia-se o espetáculo “Mais de Cem Mil Dias”, a partir do audiolivro com o mesmo título de Inês Pupo, com ilustração de Ricardo Machado e músicas de Filipe Raposo e Gonçalo Pratas.

Tal como sucedeu nas edições anteriores, a dança vai regressar às ruas de Lisboa, desta feita nas tardes de domingo, sob o lema “Dançar a Cidade”.

Esta iniciativa propõe aulas ao ar livre de Flamenco e Sevilhanas (na Quinta das Conchas), Danças Tribais Africanas (no jardim do Palácio das Galveias), Samba e Forró (no Parque Urbano Moinhos de Santana) e Salsa e Merengue (Largo José Saramago – Campo das Cebolas), sempre a partir das 17:00.

Segundo a EGEAC, haverá ainda outras expressões artísticas, que têm presença assídua nesta programação, como a videoarte, com o festival FUSO, durante cinco dias, em diversos locais da cidade, e o Cinema, com o projeto “Cinema no Estendal”, que oferece dois dias de sessões ao ar livre.

Toda a programação do Lisboa na Rua tem entrada gratuita e fica disponível hoje em culturanarua.pt.

Sem comentários

deixar um comentário