04 Dezembro 2021, 22:34

Logística para autárquicas em Angola só a partir de setembro de 2022 – Governo

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

*** Serviços áudio e vídeo disponíveis em www.lusa.pt ***



*** Mário Baptista (Texto) e Hugo Fragata (Vídeo), da agência Lusa ***



Lisboa, 22 out 2021 (Lusa) – O Ministro da Administração do Território de Angola disse hoje que a logística para a realização de eleições autárquicas em Angola não estará pronta antes de setembro de 2022, faltando, no entanto, todo o processo legislativo.


“A previsão é que todo o processo material de preparação das condições esteja concluído até setembro do próximo ano e, em tese, depois de todo processo material estar pronto, as eleições podem ser convocadas a todo o tempo desde que exista legislação para o efeito, mas é recomendável haver acordo político sobre o modo como as eleições deverão decorrer”, disse Marcy Lopes, em entrevista à agência Lusa, em Lisboa.


Em causa está a preparação logística que terá de estar concluída antes de ser possível realizar eleições autárquicas e garantir a permanência dos eleitos, explicou o governante.


“No plano material, estão a ser realizadas uma série de tarefas para permitir a implementação das autarquias locais; o Plano Integrado de Intervenção nos Municípios prevê a criação de infraestruturas, vários edifícios de educação, saúde e infraestruturas autárquicas”, lembrou Marcy Lopes, acrescentando que “em simultâneo estão a ser construídos complexos residenciais administrativos que vão servir de alojamento para as pessoas que forem trabalhar nestes lugares mais longínquos”.


Na entrevista à Lusa em Lisboa, onde está a liderar a delegação que acompanha a implementação do processo eleitoral da diáspora angolana, que pela primeira vez vai votar nas eleições gerais, o ministro considerou ainda que é desejável haver acordo com outras forças políticas sobre as eleições autárquicas.


“Os consensos têm ocorrido na Assembleia Nacional, mas obviamente que há matérias onde o consenso não impera, mas o caminho faz-se caminhando e temos a expetativa de que todos os consensos possam ser alcançados para que no final o país ganhe com este processo”, afirmou.


Questionado sobre a evolução da situação política, nomeadamente sobre um eventual aumento do descontentamento popular que leve a um fortalecimento da oposição, o responsável desvalorizou a questão, dizendo que isso é a democracia a funcionar.


“É a democracia, em sistemas democráticos há quem esteja agradado e quem esteja desagradado, mas quem governa tem de saber que as suas ações vão ser alvo de crítica e saber conviver com isso e satisfazer as necessidades coletivas”, respondeu, acrescentando: “O povo exige sempre mais, é o seu trabalho, a oposição vai criticar porque quer ser poder, e quem ganhou as eleições tem de governar e trabalhar para melhorar as condições do povo”.


Sobre o facto de Angola ir previsivelmente registar em 2021 o sexto ano de crescimento económico negativo, Marcy Lopes salientou que face aos mais de 5% de quebra em 2020, uma expansão económica próxima de zero é uma evolução positiva: “Toda a melhoria é boa, significativa ou não significativa, desde que seja para melhorar a estabilidade económica, que permita atrair investimento e passar mensagem de confiança aos investidores e à comunidade global, toda a melhoria será um ganho para o país”.



MBA // VM


Lusa/Fim

Tags

Sem comentários

deixar um comentário