29 Novembro 2021, 21:02

Lucro do BNP Paribas cresce 38% no 1.º trimestre para 1.777 ME

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Paris, 30 abr 2021 (Lusa) — O grupo BNP Paribas contabilizou um lucro de 1.777 milhões de euros no primeiro trimestre deste ano, mais 38% que em idêntico período do ano passado, revelou hoje o grupo financeiro francês.


Este resultado líquido foi obtido graças ao desempenho da banca privada e de investimento, às operações extraordinárias e à redução das provisões constituídas no ano anterior para enfrentar a pandemia de covid-19, justifica o BNP Paribas em comunicado.


“Os resultados do BNP Paribas são sólidos. O produto bancário líquido foi de 11.820 milhões de euros, mais 8,6% que no primeiro trimestre de 2020”, adianta.


Além disso, o custo do risco, que tinha registado um crescimento de anual devido à pandemia de covid-19, caiu 530 milhões de euros, para 896 milhões no primeiro trimestre deste ano, prossegue.


“As provisões para fazer face a créditos de cobrança duvidosa estabilizaram num nível pouco elevado e em linha com 2019”, explicou o grupo BNP Paribas.


Os proveitos operacionais melhoraram muito substancialmente, ao crescerem 79% no trimestre em análise, para 2.336 milhões de euros, apesar de serem, em parte, atribuídos a operações extraordinárias (mais-valias de vendas e vendas de ações).


Sem estas operações, o resultado do BNP Paribas “teria estabilizado” face a idêntico trimestre do ano anterior, adverte.


O rácio de solvabilidade de capital de primeira qualidade (“common equity Tier 1”) era em 31 de março deste ano de 12,8% e as reservas de liquidez situavam-se em 454.000 milhões de euros.


O presidente executivo do BNP, Jean-Laurent Bonnafé, afirmou no comunicado que o banco “continua a mobilizar todos os recursos e conhecimentos para apoiar as pessoas, empresas e instituições” com o objetivo de alcançar “uma recuperação sólida e duradoura”.


Os empréstimos do banco aumentaram 0,2% no primeiro trimestre deste ano, em relação aos primeiros três meses do ano anterior, lê-se na nota divulgada.



JS // MSF


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário