24 Outubro 2021, 16:02

Lucros do grupo Cabo Verde Telecom cresceram mais de 10% em 2020

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Praia, 17 set 2021 (Lusa) – Os lucros do grupo estatal Cabo Verde Telecom (CVTelecom) aumentaram 10,5% em 2020, para mais de 1,8 milhão de euros, e pelo segundo ano consecutivo as vendas voltaram a crescer, apesar da crise provocada pela covid-19.


De acordo com o relatório e contas de 2020 da empresa, a que a Lusa teve hoje acesso, o ano passado voltou a ser de crescimento de vendas, para 4.549 milhões de escudos (41,1 milhões de euros) de receitas consolidadas, com algumas novas áreas, como o teletrabalho, a compensarem as quebras nos serviços tradicionais de telecomunicações.


“O ano de 2020 reconfirma a retoma do crescimento das vendas iniciado em 2019, depois de mais de sete anos consecutivos de sucessivas quedas nas vendas. O grupo CVTelecom apresenta um crescimento de 2% [nas receitas], um valor ainda moderado, mas significativo, por se tratar de um crescimento ancorado em medidas estruturantes que colocam os negócios da empresa num trilho sustentável de desenvolvimento”, lê-se na mensagem do presidente do conselho de administração, João Domingos Correia, que consta do relatório.


“Efetivamente, este crescimento, por ter sido conseguido num contexto particularmente desafiante, marcado pela crise pandémica mundial, revela a qualidade e a robustez das medidas e opções estratégicas que vêm sendo seguidas”, destaca ainda.


A operadora, a maior do país e que atua na área das telecomunicações móveis, fixas, de internet e televisão por subscrição, registou um crescimento de 10,5% no resultado líquido naquele exercício, para lucros de mais de 207 milhões de escudos (1,87 milhão de euros), mas sem distribuição de dividendos aos acionistas, face às “reais expectativas de evolução dos negócios da empresa”.


“No caso das empresas do grupo CVTelecom, a continuidade dos negócios não foi posta em causa [com a pandemia de covid-19], mas, num país fortemente dependente do turismo, com os hotéis e outros negócios correlatos a fecharem as portas, bem como o aumento do desemprego a ocasionar grandes razias no consumo, as vendas foram afetadas, mas contrabalançadas pelo surgimento do teletrabalho, tele-ensino, reuniões telemáticas, entre outros”, reconhece o presidente do conselho de administração.


O relatório acrescenta que o grupo CVTelecom, “para além de ver a sua dinâmica comercial seriamente afetada pela covid-19”, teve ainda que “lidar com as consequências de um incêndio nas suas instalações, o que motivou a paralisação dos negócios durante mais de duas semanas e uma perda de rendimentos equivalente a um terço da sua faturação mensal”.


O grupo viu o número de clientes da rede móvel de comunicações cair 3,3% em 2020, para 372.231, e o de utilizadores de Internet móvel diminuir 1,5%, para 237.158. O número de clientes da rede de Internet fixa aumentou 22,4%, para 20.104, enquanto os clientes da rede fixa de comunicações de voz aumentaram 0,1%, para 57.493.


O volume de investimento realizado pela CVTelecom, que contava com 414 trabalhadores em dezembro de 2020 (-19), decresceu 24% em 2020, face ao ano anterior, para 1.027 milhões de escudos (9,2 milhões de euros), “representando 41,3% das receitas de exploração”.


“Este decréscimo justifica-se pela redução do nível de investimentos alocados ao Cabo EllaLink [ligação submarina de fibra ótica com a Europa e o Brasil]. Apesar da redução do investimento total na rede fixa, os níveis de investimento mantêm-se bastante elevados face à média dos últimos anos devido à participação no projeto EllaLink”, aponta o documento.


O relatório e contas acrescenta que em 2020 foram alocados ao “ecossistema do novo cabo submarino” cerca de 762 milhões de escudos (6,8 milhões de euros), aos quais se somam os 1.300 milhões de escudos (11,7 milhões de euros) investidos nos dois anos anteriores.


“Em 2020, o grupo CVTelecom continuou a investir fortemente no desenvolvimento e modernização da rede, designadamente através do novo projeto de conectividade internacional do país, através do Cabo Ellalink, bem como através de investimentos feitos na rede móvel, em que a otimização e upgrades efetuados permitiram que a generalidade dos parâmetros de performance”, afirma a empresa.


O grupo CVTelecom conta com participações avaliadas em 817 milhões de escudos (7,4 milhões de euros) em várias empresas, nomeadamente na CV Móvel (rede de telecomunicações móveis, 100%), CV Multimédia (televisão por subscrição e internet, 100%) e a Directel Cabo Verde (Páginas Amarelas, 40%).


A maioria do capital social do grupo CVT é detida pelo Instituto Nacional de Previdência Social (instituto público que gere as pensões cabo-verdianas), em 57,9%, contando ainda com a estatal Aeroportos e Segurança Aérea (20%), a Sonangol Cabo Verde (5%) e o Estado de Cabo Verde (3,4%) entre os acionistas, como privados nacionais (13,7%).


O ministro das Finanças de Cabo Verde, Olavo Correia, anunciou em outubro de 2019, na conferência internacional que a agência Lusa promoveu na cidade da Praia, que o capital social da CVTelecom seria dispersado em bolsa em 2020, através de convite a empresas estrangeiras.


“No próximo ano seguramente teremos oportunidade de dispersar capital convidando privados com ‘know how’ para acelerar essa dinâmica de construção de um hub tecnológico, é preciso ‘players’ que apostem na inovação, com capital e conhecimento para sairmos do status quo e acompanhar essa dinâmica permanente do setor”, disse o também vice-primeiro-ministro.


Esse plano, devido à pandemia de covid-19, acabou por não avançar.



PVJ // PJA


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário