13 Maio 2022, 23:21

Lufthansa reduz prejuízos para 584 milhões de euros no 1.º trimestre

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Frankfurt, Alemanha, 05 mai 2022 (Lusa) – A Lufthansa, resgatada pelo Estado alemão, registou um prejuízo de 584 milhões de euros até março, menos 44% que no ano anterior, na sequência do aumento da procura de voos e de um recorde da filial de transporte de carga.


Num comunicado hoje divulgado, a companhia aérea alemã Lufthansa disse que registou uma perda operacional (ebit) de 640 milhões de euros no primeiro trimestre, menos 44% que a registada no primeiro trimestre de 2021.


As receitas aumentaram entre janeiro e março para 5.363 milhões de euros (+109%).


A Lufthansa espera “umas férias de Verão recordes”, depois de recuperar da propagação da variante Ómicron durante o primeiro trimestre.


No início do ano, a Lufthansa foi atingida por elevadas taxas de contágios, mas a procura começou a recuperar fortemente, especialmente em março.


“Para além da elevada procura turística, o segmento das viagens de negócios também assistiu a uma recuperação”, segundo o grupo aéreo alemão.


O presidente executivo (Chief Executive Officer, CEO) do grupo Lufthansa, Carsten Spohr, afirmou ao apresentar os números que “as restrições ao tráfego aéreo foram largamente ultrapassadas”.


“Estamos agora a ultrapassar mentalmente a crise e a entrar novamente na ofensiva”, acrescentou Spohr.


A Lufthansa salientou que a incerteza permanece para o negócio dos transportes aéreos e prevê aumentos nos preços dos bilhetes de avião.


“Tendo em conta as mudanças extremas no preço do querosene nas últimas semanas, a evolução dos custos de combustível em particular, não pode ser feita uma estimativa com precisão para todo o ano”, de acordo com a transportadora alemã.


Da mesma forma, a Lufthansa acrescenta, “os efeitos da guerra na Ucrânia e o aumento significativo da inflação no comportamento dos consumidores não podem ser estimados com precisão”.


Os ganhos médios para o resto do ano serão, pelo menos, uma elevada percentagem de um dígito em comparação com 2021, de modo a excederem o nível de crise pré-pandemia de 2019.



MC // MSF


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário