13 Maio 2022, 18:41

Lula da Silva mantém vantagem sobre Bolsonaro cinco meses antes das eleições no Brasil

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

São Paulo, 06 mai 2022 (Lusa) — O ex-presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva mantém uma vantagem de cerca de 15 pontos percentuais sobre o atual Presidente, Jair Bolsonaro, cinco meses antes das eleições, segundo uma sondagem hoje divulgada.


O líder do Partido dos Trabalhadores (PT) continua como o principal favorito para as eleições presidenciais de 02 de outubro com 44% das intenções de voto, segundo um levantamento elaborado pelo Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Económicas (Ipespe), encomendado pela XP Investimentos.


O ex-chefe de Estado, que lançará a sua pré-candidatura no sábado num evento em São Paulo, perdeu apenas um ponto de intenção de voto face a sondagem anterior do mesmo instituto.


Por sua vez, Bolsonaro, que buscará renovar o seu mandato por mais quatro anos, alcançaria 31% dos votos, a mesma percentagem obtida no mês passado.


Atrás estão o líder trabalhista Ciro Gomes (8%) e um grupo de candidatos centristas, incluindo o ex-governador de São Paulo João Doria (3%) e a senadora Simone Tebet (1%), que tentam unir forças para romper a forte polarização entre Lula da Silva e Bolsonaro.


Numa possível segunda volta Lula da Silva, que governou o Brasil entre 2003 e 2010, venceria com 54% dos votos contra Bolsonaro, que ficaria com 34%.


O ex-presidente progressista também venceria Ciro Gomes, do Partido Democrático Trabalhista (52% – 25%), e Doria, candidato do Partido da Social Democracia Brasileira (55% – 19%).


A sondagem que tem margem de erro de 3,2 pontos percentuais é resultado de mil entrevistas telefónicas realizadas entre 02 e 04 de maio.


A sondagem também recolheu a opinião dos brasileiros sobre a atuação do Governo Bolsonaro, no poder desde janeiro de 2019.


Cerca de 52% dos entrevistados consideraram a administração brasileira como péssima, a mesma percentagem de abril, enquanto 31% a descreveram como ótima, e 16% consideraram regular.



CYR // LFS


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário