20 Janeiro 2022, 10:13

Luta contra a SIDA abrandou devido à covid-19, Cabo Verde em vias de alcançar objetivo

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Joanesburgo, 07 dez 2021 (Lusa) — A luta contra o VIH abrandou com o aparecimento da covid-19 e apenas nove países, incluindo Cabo Verde, estão em vias de cumprir o objetivo de eliminar a epidemia da SIDA até 2030, alertou hoje a OMS.


Na Conferência Internacional sobre a SIDA e as infeções sexualmente transmissíveis (ICASA), a decorrer na África do Sul, a Organização Mundial de Saúde (OMS) apelou a um combate simultâneo contra as pandemias de VIH e SARS-VoV-2, alertando que a luta contra o VIH, que registava progressos há dez anos, abrandou em 2020.


Vários países afastaram-se dos objetivos internacionais e “as dificuldades ligadas à covid-19 agravaram a situação”, concluiu a OMS, em comunicado.


O terceiro Objetivo de Desenvolvimento Sustentável inclui pôr fim à epidemia de SIDA até 2030.


Segundo dados apresentados na conferência, apenas nove países estão em curso para alcançar esse objetivo — o Botsuana, Cabo Verde, Quénia, Lesoto, Maláui, Nigéria, Uganda, Ruanda e Zimbabué.


“O rosto do VIH ainda é maioritariamente o de uma mulher negra”, declarou o ministro da Saúde sul-africano, Joe Phaahla, num discurso na abertura da conferência, na segunda-feira.


A África subsaariana acolhe dois terços (67%) das pessoas que vivem com o VIH, disse a ONU, e as mulheres e raparigas representam 63% das novas infeções.


Com 7,8 milhões de casos, a África do Sul é o país mais afetado do mundo.


A covid-19 “tornou ainda mais difícil a luta contra o VIH, mas um vírus não deve ter precedência sobre outro”, disse a diretora da OMS África, Matshidiso Moeti, citada no comunicado.


O número de novas infeções diminuiu 43% na última década e o número de mortos tinha diminuído para quase metade.


Atualmente, 37,7 milhões de pessoas vivem com o vírus, segundo a ONU.


Em 2020, 680.000 pessoas morreram de uma doença ligada à SIDA.


“A menos que os governos acelerem o ritmo, aumentem os recursos e se comprometam a reforçar os seus sistemas de saúde, não conseguiremos percorrer a última linha direita”, avisou Moeti.


Segundo a ONU, a SIDA matou 36,3 milhões de pessoas em 40 anos.



FPA // JH


Lusa/fim

Sem comentários

deixar um comentário