08 Outubro 2022, 04:41

Macau abre fronteiras a diplomatas

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Macau, China, 11 set 2022 (Lusa) — Macau passou a permitir, a partir de hoje, a entrada de diplomatas sem autorização prévia por parte das autoridades sanitárias, pela primeira vez desde março de 2020, no início da pandemia de covid-19.


O Centro de Coordenação de Contingência do Novo Tipo de Coronavírus dos Serviços de Saúde de Macau (SSM) anunciou no sábado à noite o levantamento das restrições à entrada dos titulares de documentos diplomáticos.


Segundo um comunicado, a isenção inclui titulares de passaporte diplomático, passaporte emitido pelas Nações Unidas — conhecido como “laissez passer” — ou cartão de identificação de agente diplomático ou de funcionário consular emitido pelo Governo de Macau.


Ao contrário do que acontece para quem entra pela fronteira com a China continental, quem chega do estrangeiro ou de Hong Kong continua a ser obrigado a cumprir uma quarentena de sete dias num hotel, seguido de três dias de “auto-vigilância médica” que pode ser feita em casa.


Em 01 de setembro, a região chinesa passou a permitir a entrada de cidadãos de 41 países, incluindo o Brasil, Estados Unidos, Austrália, Japão e Coreia do Sul.


No mesmo dia, a chefe substituta da Divisão de Prevenção e Controlo de Doenças Transmissíveis dos SSM, Wong Weng Man, tinha prometido que Macau iria “abrir gradualmente” as portas a outros estrangeiros.


Em abril deste ano, o território tinha levantado as restrições fronteiriças a estudantes universitários, profissionais do ensino estrangeiro, como professores portugueses, e trabalhadores das Filipinas.


A isenção foi mais tarde alargada a trabalhadores oriundos da Indonésia, também situada no sudeste asiático, região que é a principal fonte de trabalhadores estrangeiros para Macau.


Macau segue a política de zero casos imposta por Pequim, apostando na testagem massiva da população e em confinamentos para evitar a propagação dos casos de covid-19.


A região administrativa especial chinesa registou seis mortos e pouco mais de 1.800 casos desde o início da pandemia.



VQ (JMC/CAD/JYW) // VQ


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário