13 Maio 2022, 18:36

Macron espera que diálogo nacional no Chade seja no mais curto espaço de tempo

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Paris, 06 mai 2022 (Lusa) — O Presidente francês disse hoje esperar que o diálogo nacional no Chade pudesse ser realizado “dentro de um curto espaço de tempo” e ofereceu apoio da França, durante um telefonema com o presidente de transição, Mahamat Idriss Déby Itno.


Emmanuel Macron “saudou o empenho do seu interlocutor na realização do diálogo nacional, em condições inclusivas e num curto espaço de tempo”, informou o Eliseu.


O chefe de Estado manifestou este desejo na sequência do anúncio do Conselho Militar de Transição (CMT) do Chade, no domingo, do adiamento do fórum previsto a partir de 10 de maio, que deveria levar a uma transferência de poder para os civis, a pedido do Qatar, mediador de um “pré-diálogo” que não avançou durante um mês e meio, em Doha, entre a junta e os numerosos grupos rebeldes.


Paris reagiu ao anúncio expressando o seu “apego à realização de um diálogo o mais rapidamente possível”.


Para o efeito, Emmanuel Macron “reiterou a disponibilidade da França para apoiar as discussões em curso com os grupos político-militares em Doha para que estes se juntem ao diálogo nacional e ao processo de transição”, de acordo com a presidência.


A França tem acompanhado de perto os desenvolvimentos no Chade, um dos seus aliados na luta contra os grupos terroristas islâmicos no Sahel, desde a morte súbita, em 20 de abril de 2021, do Presidente, Idriss Déby Itno, que governou o país durante mais de 30 anos.


No mesmo dia, o seu filho Mahamat Idriss Déby Itno, um general de 37 anos, foi proclamado pelo exército como “presidente de transição”, à frente de uma junta composta por 15 generais.


Tinha sido apoiado pela comunidade internacional, liderada pela França, União Europeia (UE) e União Africana (UA), enquanto a mesma comunidade sancionou golpistas militares noutras partes de África.


Durante a sua reunião, Macron e Déby – que felicitaram o francês pela sua reeleição – também discutiram “questões de segurança regional, particularmente no Sudão, na República Centro-Africana e no Sahel”, de acordo com o Eliseu.



SMM // LFS


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário