20 Outubro 2021, 08:48

Mais de 1.600 condutores ficaram sem carta de condução desde 2016 e 4.000 perderam todos os pontos

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Lisboa, 28 set 2021 (Lusa) — Mais de 1.600 condutores ficaram sem carta de condução desde a entrada em vigor do sistema “carta por pontos”, em 2016, e cerca de 4.000 perderam a totalidade dos pontos, revelou hoje a Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR).


No relatório de sinistralidade e fiscalização rodoviária, a ANSR precisa que desde a entrada em vigor do sistema de carta por pontos, em junho de 2016, e até final de julho de 2021, 1.655 condutores ficaram com o seu título de condução cassado.


O sistema “carta por pontos” consiste na subtração de pontos quando são praticadas infrações graves, muito graves e crimes rodoviários, levando à cassação da carta de condução quando se perde a totalidade dos 12 pontos.


O relatório indica que em 2016 foram cassadas 16 cartas de condução, no ano seguinte foram 64 títulos, aumentando para 359 em 2018, voltando a subir para 491 em 2019 e em 2020 ficaram sem carta 443 condutores, enquanto até julho deste tinham sido 282.


A ANSR avança que 2.360 condutores têm zero pontos na carta de condução e 2.014 têm o processo instruído, 1.148 dos quais estão em fase de audição da intenção de cassação do título, 866 na fase de notificação da decisão final e 346 na fase de instrução.


Após a subtração da totalidade dos pontos, o condutor só fica sem a carta de condução depois de ter sido instaurado um processo autónomo administrativo e de ter sido efetivada a notificação da cassação, desde que não seja impugnada judicialmente.


A Segurança Rodoviária indica também que, até julho, foram subtraídos pontos a mais de 271.400 condutores.


No sistema da Carta por Pontos são atribuídos ao condutor 12 pontos, que aumentam ou diminuem em função das infrações, ficando o automobilista sem a carta de condução, após ter perdido a totalidade dos pontos.


Depois da cassação do título, estes automobilistas ficam inibidos de conduzir durante dois anos e têm de tirar novamente a carta.



CMP // JMR


Lusa/fim

Sem comentários

deixar um comentário