19 Setembro 2021, 03:22

Mais de 29 milhões de pessoas no Sahel precisam de ajuda

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Madrid, 07 jun 2021 (Lusa) – Mais de 29 milhões de pessoas precisam de ajuda no Sahel, uma parte de África onde o risco de fome triplicou em apenas dois anos, advertiu hoje a organização Acção Contra a Fome na segunda-feira.


A organização não-governamental (ONG), com sede em Madrid, alertou, numa declaração, para o número alarmante de pessoas em risco de insegurança alimentar para a época de 2021 no Sahel, a parte do norte de África entre o deserto do Saara e a savana.


Desses 29 milhões, cerca de 13 milhões enfrentam “grave insegurança alimentar”, que “continuará a agravar-se” e “o número de pessoas famintas aumentará”, com mais de 1,6 milhões de crianças “gravemente subnutridas” que não receberão tratamento e muitas “poderão morrer ou sofrer danos mentais e físicos ao longo da vida”, disse a ONG.


Cerca de 811.000 pessoas requerem assistência imediata, um número que aumentou quase oito vezes desde 2019, de acordo com a organização.


A carência, conhecida como a “estação da fome”, é a temporada entre o esgotamento das reservas alimentares e o início da próxima colheita.


“Comparado com carências anteriores, este ano é diferente e muito mais grave”, advertiu Mamadu Diop, representante regional da Acção Contra a Fome na África Ocidental.


Além disso, a pandemia de covid-19 levou a um aumento significativo da insegurança alimentar, com o encerramento dos mercados, reduções na produção agrícola e o desaparecimento do emprego, de acordo com a ONG.


“A análise mostra que mais de metade das famílias sahelianas têm dificuldade de acesso ou são incapazes de aceder a alimentos nutritivos acessíveis”, disse Paloma Martin de Miguel, chefe do Sahel na Acção Contra a Fome.


A covid-19 também provoca uma diminuição da cobertura sanitária, com o resultado de que “as populações chegam a este período já muito debilitadas física e mentalmente, porque não tiveram as necessárias consultas médicas e acompanhamento”, disse Mamadu Diop, representante regional da Acção Contra a Fome na África Ocidental.


“O regresso à normalidade, a tão esperada saída do túnel, poderia ser comprometida pela época da fome que começa em junho”, diz Martin de Miguel.


Os episódios de violência e insegurança tornam ainda mais difícil para os atores humanitários, que estão atualmente mais expostos, segundo esta ONG, que salienta que o número de deslocados internos e refugiados ultrapassa os cinco milhões de pessoas nesta área do planeta.


O Sahel cobre parte de países como a Mauritânia, Senegal, Mali, Burkina Faso, Níger, Nigéria, Chade, Sudão, Eritreia e Etiópia.



JH // PJA


Lusa/fim

Sem comentários

deixar um comentário