06 Fevereiro 2023, 09:45

Marcelo lembra que há vários focos de guerra e critica UE por ter estado em “autocontemplação”

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Lisboa, 08 dez 2022 (Lusa) – O Presidente da República considerou hoje que a União Europeia esteve em “autocontemplação” e “continua a não saber encontrar maneira de se relacionar com África”, relembrando que, além da Ucrânia, há outros focos no mundo que ameaçam a paz.


Marcelo Rebelo de Sousa assumiu esta posição na Igreja de São Domingos, em Lisboa, onde inaugurou, em conjunto com a ministra da Defesa Nacional, uma mostra expositiva alusiva à vigília da Capela do Rato, que começou em 30 de dezembro de 1972, e participou numa conversa sobre o tema “A Paz é Possível: afirmação impossível?”, organizada pela Comissão Comemorativa dos 50 anos do 25 de abril.


Na sua intervenção, dedicada em grande parte à temática da paz, Marcelo Rebelo de Sousa considerou que, desde os anos 1960, 1970 e 1980, “as instituições, mesmo as instituições democráticas, nacionais e internacionais, pararam e, em muitos casos, acharam que era suficiente o formalismo ‘funciona assim porque funciona assim, e vai funcionar assim'”.


“Ora, os desafios são diferentes e se não há resposta para desafios diferentes, surgem conflitos, surgem novas ‘mini’ guerras, a paz fica enfraquecida”, defendeu.


Marcelo Rebelo de Sousa considerou que esta inércia das instituições também incluiu a União Europeia (UE), que “parou em muitos casos em autocontemplação, porque era democrática e considerava que era muito melhor do que outras realidades que existiam no mundo”.


“Em termos de algumas liberdades era, e é, (…) mas [a Europa] não está a ser capaz de enfrentar vários problemas efetivos das pessoas, uns dentro dela, outros na abertura para o exterior. A Europa continua a não saber encontrar maneira de se relacionar com África e, no entanto, há aí uma relação que é óbvia”, criticou.


Para Marcelo Rebelo de Sousa, “continua a haver muito nacionalismo no mau sentido do termo, muito chauvinismo, muita xenofobia – aquela de que se fala muito e aquela que é dos próprios Estados – e isso não contribui para a paz”.


Neste seu discurso, o chefe de Estado procurou ainda definir o conceito de “paz”, sustentando que a “ideia da paz abstração, da ‘paz é a não guerra e a guerra é não paz'” não existe.


Para Marcelo Rebelo de Sousa, a paz tem um significado concreto, salientando que “não há paz sem desenvolvimento, sem justiça económica e social, sem liberdade”.


O Presidente da República considerou assim que, quando se diz que “o mundo viveu em paz, a Europa viveu em paz”, isso consiste numa “facilidade de expressão”, relembrando que, nos últimos anos, a Europa viveu “com guerras internas em vários dos seus Estados” e nas suas periferias, mas também “com guerras por todo o mundo em que a Europa não era alheia, por ação ou por omissão”.


“Portanto, não vamos ser tão simplistas quanto isso – eu percebo que se tem que ser simplista quando se está a exercer política, tem que se tomar uma posição política perante cada caso – mas não vamos esquecer os outros casos todos, parece que só há uma guerra no mundo”, disse, com a ministra da Defesa Nacional a seu lado.


Marcelo relembrou que, além da Ucrânia, que “tem o foco principal da atenção”, também “há gente a morrer em África, há gente a morrer na Ásia, há gente a morrer, menos porventura, que se saiba, na América Latina”.


“Isto é desvalorizar o que se passa na Ucrânia? Não, porque ali o envolvimento das potências é maior, porque ali a determinante na balança de poderes é maior, ou mais visível, pelo menos. Significa uma nova ordem internacional? Veremos, veremos, veremos, porque isso é muito mais do que uma nova balança de poderes”, vincou.


O Presidente da República referiu assim que “se a pergunta é como é que vamos construir a paz no mundo, isso passa obviamente por construir a paz na Ucrânia, mas passa também por construir a paz em muitos outros sítios, e no contexto global”.



TA // MCL


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário