10 Setembro 2022, 06:31

Marinha dos EUA tem perto de Taiwan um porta-aviões e outras unidades

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



A Marinha dos EUA tem nas proximidades de Taiwan o porta-aviões USS Ronald Reagan e o navio anfíbio USS Tripoli, com aviões de combate F-35, enquanto a presidente da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, visita a ilha.

Segundo a última atualização da USNI News Fleet and Marine Tracker, uma publicação da associação militar independente Instituto Naval dos EUA, há outra embarcação norte-americana, a USS America, a caminho, a partir do porto japonês de Sasebo.

A USNI News, citando um porta-voz do Pentágono, acrescentou que estes navios operam habitualmente na região, sem dar mais detalhes.

Pelosi chegou hoje a Taiwan, na que é a primeira visita de um presidente da Câmara de Representante dos EUA, depois da que fez em 1997 o republicano Newt Gingrich.

A China considerou hoje que a visita de Pelosi, “à região chinesa de Taiwan” demonstra uma atitude “extremamente perigosa” dos Estados Unidos.

Num comunicado, o Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês afirma condenar “veementemente” a visita de Pelosi, que “desconsiderou as severas advertências” de Pequim, e “envia sinais errados” às “forças separatistas que procuram a independência de Taiwan”.

Por seu lado, Pelosi considerou que a visita a Taiwan demonstra o “apoio incondicional” dos Estados Unidos.

Num comunicado publicado pouco depois de ter aterrado na ilha, Pelosi e os membros da delegação do Congresso sublinham que a visita “honra o inabalável compromisso no apoio à vibrante democracia em Taiwan”, e asseguram que “não contradiz a política de longa data dos Estados Unidos”, baseada em acordos estabelecidos com Taiwan e a China.

Neste contexto, a delegação reafirma que Washington “continuará a opor-se aos esforços unilaterais para alterar o ‘status quo'” do território.

 

Sem comentários

deixar um comentário