27 Setembro 2022, 17:31

Metropolitano de Lisboa alerta para constrangimentos na sexta-feira devido a greve

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



O Metropolitano de Lisboa avisou hoje que a greve dos trabalhadores convocada para sexta-feira vai afetar a circulação nas primeiras três horas da manhã, estando previsto o início do serviço a partir das 09:30 horas desse dia.

Os trabalhadores do Metropolitano de Lisboa apresentaram em 23 de fevereiro um pré-aviso de greve, para 11 e 18 de março, entre as 05:00 e as 09:00, tendo em conta o que descrevem como uma desvalorização dos problemas dos funcionários por parte da administração.

Na nota hoje divulgada, o Metropolitano de Lisboa “agradece a compreensão dos seus clientes e lamenta os eventuais inconvenientes que estas greves possam causar”.

A greve de sexta-feira segue-se à de dia 11 de março, que de acordo com Anabela Carvalheira, da Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans), teve uma adesão “elevada”, tendo abrangido o setor operacional e maquinistas.

“[O pré-aviso de greve] tem a ver com as condições de trabalho, a falta de efetivos e o clima por parte da direção relativamente aos trabalhadores, o que perturba o bom funcionamento”, disse na altura a sindicalista, em declarações à agência Lusa.

Os sindicatos pretendem que a empresa “coloque em prática uma série de compromissos assumidos para com os trabalhadores há muito tempo”, adiantou.

A sindicalista considerou que a administração deveria ter em conta os problemas que existem, por exemplo, na área dos maquinistas, que pela sua condição de trabalho no subsolo “deviam ter uma vida mais calma”.

De acordo com a Fectrans, o aviso prévio respeita as decisões dos plenários, pelo que abrange todas as chefias da Direção de Operações, bem como os maquinistas.

Em reposta à Lusa, o Metropolitano de Lisboa disse hoje que se “encontra recetivo às propostas apresentadas pelas entidades sindicais”.

“Trata-se de um processo negocial bilateral com vista a um esforço de aproximação das propostas apresentadas (que têm sido alvo de negociações ao longo dos últimos meses) aos interesses da empresa e dos seus trabalhadores”, referiu o Metro na resposta escrita, salientado que a empresa tem “envidado todos os esforços no sentido da obtenção de um acordo no mais curto espaço de tempo possível”.

O Metropolitano de Lisboa opera com quatro linhas: Amarela (Rato-Odivelas), Verde (Telheiras-Cais do Sodré), Azul (Reboleira-Santa Apolónia) e Vermelha (Aeroporto-São Sebastião), das 06:30 às 01:00 todos os dias.

Sem comentários

deixar um comentário