08 Outubro 2022, 03:06

Militar da GNR e funcionário de quiosque em Avis agredidos por indivíduos

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



Um militar da GNR de Avis (Portalegre) foi agredido, no sábado, quando tentou resolver desacatos, com outro guarda da patrulha, entre um grupo de indivíduos e o funcionário de um quiosque naquela localidade, disse hoje fonte policial.

Fonte do Comando Territorial de Portalegre da GNR explicou à agência Lusa que o militar da GNR “ficou com ferimentos leves, foi agredido com um murro na face”.

“Apenas por precaução, foi ao Centro de Saúde de Ponte de Sor porque tinha o lábio ferido”, enquanto o funcionário do quiosque, que “foi agredido pelo grupo de indivíduos, teve de ser assistido e foi encaminhado para o hospital de Portalegre”.

Segundo a mesma fonte da força de segurança, a GNR foi chamada, às 16:20 de sábado, para “uma situação de desacatos entre um grupo de indivíduos e um funcionário de um quiosque” em Avis.

“A patrulha foi ao local para tomar conta da ocorrência e um dos militares da GNR foi agredido”, enquanto o grupo de indivíduos se “colocou em fuga”.

A GNR está a desenvolver diligências e, de acordo com a fonte, “vai ser elaborado um auto de notícia, para ser remetido a inquérito” e o caso passar “a investigação judicial”.

Sem comentários

deixar um comentário