06 Dezembro 2022, 20:55

Ministra espanhola justifica urgência de lei “trans” com discursos de ódio

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Agora que chegou aqui…

Ao longo do último ano, o MUNDO ATUAL tem conquistado cada vez mais leitores.
Nunca quisemos limitar o acesso aos nossos conteúdos, ao contrário do que fazem outros órgãos de comunicação, e mantivemos sempre todas as notícias, reportagens e entrevistas abertas para que todos as pudessem ler.
Mas precisamos do seu apoio. Para que possamos, diariamente, continuar a oferecer-lhe a melhor informação, não só nacional como local, assim como para podermos fazer mais reportagens e entrevistas do seu interesse.
O MUNDO ATUAL é um órgão de comunicação social independente e isento. E acreditamos que para que possamos continuar o nosso caminho, que tem sido de sucesso e de reconhecimento, é importante que nos possa ajudar neste caminho que iniciámos há um ano.
Desta forma, por tão pouco, com apenas 1€, pode apoiar o MUNDO ATUAL.

Obrigado!

PUB – CONTINUE A LER A SEGUIR



A ministra espanhola da Igualdade, Irene Montero, justificou hoje a urgência no projeto de lei ‘trans’ e da reforma da lei do aborto com o que considerou a proliferação de “discursos de ódio, delitos de ódio” e “LGTBIfobia”.

Este tipo de questões faz com seja “o momento mais necessário” para avançar com as duas leis, como sustentou em declarações à comunicação social, durante uma visita ao município de Alcorcón, na zona de Madrid, em Espanha.

“Em tempos de crise”, os direitos das mulheres e da comunidade LGTBI+ “são os primeiros a ser postos em causa”, pelo que o governo deve atender à “necessidade” de estar “ao lado das mulheres” e da comunidade, considerou a ministra espanhola, segundo a agência EFE.

A mesa do Congresso de Deputados acedeu, na quinta-feira, ao pedido do Governo espanhol da dar urgência ao projeto de lei ‘trans’ e da reforma da lei do aborto, as duas últimas iniciativas legislativas enviadas àquela câmara pelo Ministério da Igualdade.

A ministra reafirmou hoje que o executivo espanhol é um governo “feminista”, que sabe que “não há democracia nem igualdade se, mais de metade da população” não tiver os direitos garantidos.

Irene Monteiro afirmou ainda que o Governo trabalhará com “urgência e determinação” para “proteger os direitos das mulheres”.

Sem comentários

deixar um comentário