04 Fevereiro 2023, 11:25

Ministro do Interior turco acusa curdos do PKK de atentado em Istambul

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Istambul, Turquia, 14 nov 2022 (Lusa) – O Ministro do Interior turco, Soumeylan Soylu, acusou hoje o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) de ser o responsável pelo ataque que matou pelo menos seis pessoas em Istambul no domingo.


“De acordo com as nossas conclusões, a organização terrorista PKK é responsável” pelo atentado, disse Soumeylan Soylu, anunciando a detenção de uma pessoa acusada de colocar o dispositivo explosivo no local.


Um atentado foi perpetrado, no domingo, na avenida Istiklal, na zona comercial de Istambul, a maior cidade da Turquia e capital económica do país, pelas 16:20 (13:20 em Lisboa).


Na televisão, em direto, o Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, denunciou “o vil atentado”, dizendo então que “as primeiras observações” deixavam entender que se tratava de um atentado terrorista” em que “uma mulher estaria implicada”.


O ataque ainda não foi reivindicado.


“Os autores deste vil atentado serão desmascarados. Que a nossa população esteja segura de que serão punidos”, frisou.


Cinco promotores de justiça foram já designados para investigar a explosão, de acordo com a agência de notícias estatal Anadolu.


O Conselho Supremo de Rádio e Televisão, que vigia os órgãos de comunicação social na Turquia, impôs uma proibição temporária de relatos sobre a explosão, medida que impede as emissoras de exibir vídeos do momento da explosão ou das consequências.


O mesmo órgão já tinha imposto proibições semelhantes no passado, na sequência de ataques e acidentes.


Em imagens difundidas nas redes sociais, ouve-se o momento da explosão, acompanhado de chamas e desencadeando imediatamente um movimento de pânico.


Uma grande cratera negra também é visível nestas imagens, assim como vários corpos no solo, nas proximidades.


Outras imagens mostram ambulâncias, carros de bombeiros e da polícia no local.


A Turquia foi palco de uma série de atentados mortais entre 2015 e 2017 cometidos pelo grupo extremista Estado Islâmico (EI) e movimentos curdos.


Nesse período, a avenida Istiklal foi também palco de um ataque reivindicado pelo EI, que matou quase 500 pessoas e feriu mais de duas mil.



CAD (JE/RCS/DA) // EJ


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário