19 Setembro 2021, 14:14

Missão da ONU no Iraque prorrogada e alargada à observação de eleições de outubro

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Nações Unidas, Nova Iorque, 27 mai 2021 (Lusa) — O Conselho de Segurança da ONU aprovou hoje, por unanimidade, a prorrogação do mandato da missão que mantém no Iraque até maio de 2022 e alargou as competências à observação eleitoral das legislativas iraquianas previstas para 10 de outubro.


A resolução, redigida pelos Estados Unidos, indica que o mandato da missão, chamada MANUI, terminará a 27 de maio do próximo ano e que deverá, entretanto, incluir uma “equipa das Nações Unidas reforçada, sólida e visível, com pessoal suplementar” antes das próximas eleições no Iraque.


Segundo a resolução, a missão de observação eleitoral deverá abranger a maior cobertura geográfica possível do país, garantindo, porém, que a organização da votação deverá ser feita “de forma a respeitar a soberania iraquiana”.


“[A missão da ONU terá também de] encorajar, coordenar e fornecer, quando apropriado, apoio logístico e de segurança aos observadores internacionais e regionais convidados pelo Governo iraquiano” para observar as eleições, acrescenta o documento.


Segundo a resolução, a MANUI tem ainda a missão adicional de “lançar uma campanha estratégica para educar, informar e atualizar os eleitores iraquianos sobre os preparativos eleitorais e as atividades das Nações Unidas em apoio às eleições antes e no dia da votação”.


Numa recente sessão por videoconferência do Conselho de Segurança sobre o Iraque, a representante da ONU em Bagdad, Jeanine Hennis-Plasschaert, pediu às autoridades iraquianas para garantirem a integridade do processo eleitoral, lembrando que ativistas de um movimento de protesto popular que eclodiu em 2019 “continuam a ser perseguidos com total impunidade”. 


“A ausência de eleições confiáveis levaria a uma raiva e a uma desilusão significativa, duradoura e generalizada, que, por sua vez, poderia desestabilizar ainda mais o país, num momento em que a força e a unidade são desesperadamente necessárias”, advertiu Hennis-Plasschaert.


 


JSD // FPA


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário