19 Agosto 2022, 03:25

MNE de São Tomé e Príncipe reitera importância da localização do país para captar investimentos

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Lisboa, 15 fev 2022 (Lusa) — A chefe da diplomacia são-tomense destacou hoje em Lisboa a localização geográfica do seu país como uma mais-valia para os empresários investirem, considerando que o arquipélago é “o sítio certo para se pensar em retoma económica em África”.


Edite Ten Jua falava à agência Lusa na apresentação da Cimeira de Negócios da Confederação Empresarial da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CE-CPLP), que decorrerá de 16 a 18 de março na capital de São Tomé e Príncipe.


“Não podemos olhar somente para o ponto que é São Tomé e Príncipe. Temos que olhar para a sua localização do ponto de vista geográfico, da geopolítica, da geoestratégia, e nós estamos inseridos numa área que é o Golfo da Guiné, que representa milhões e milhões e milhões de consumidores”, salientou a ministra dos Negócios Estrangeiros.


Instada a dizer por que razão devem os empresários investir em São Tomé e Príncipe, Edite Ten Jua respondeu que aqueles “devem ir buscar desafios”.


“Aquilo que para muitos são considerados problemas têm no seu reverso excelentes oportunidades e nós em São Tomé e Príncipe temos um país ainda a reconstruir”, acrescentou.


“Temos uma economia que tem que ter um novo ânimo, um novo fôlego e, portanto, como empresário, convidaria sim a conhecer as ilhas Verdes na linha do Equador a olhar para o nosso setor do turismo, sim, mas também para a agricultura, para o setor da transformação e vários outros setores a nível dos serviços e não só”, enumerou.


Vincando que São Tomé e Príncipe é “um país novo, um país de oportunidades e que está ávido de dar o seu contributo e ser palco desse contributo, sobretudo numa era do pós-pandemia da covid-19”, Edna Ten Jua salientou que o país “está de braços abertos” ao investimento estrangeiro.


Elma Fernandes, vice-presidente da comissão executiva da CE-CPLP explicou à Lusa que a Cimeira de Negócios a realizar em março em São Tomé surge na sequência de iniciativas semelhantes antes realizadas em Moçambique, Portugal e Guiné Equatorial.


“Aquilo que nós fazemos, a confederação empresarial da CPLP trabalha para aquilo que é a melhoria da situação económica da nossa comunidade e por esse motivo fazemos vários encontros empresariais. Estamos aqui a fazer o lançamento da cimeira”, referiu.


Elma Fernandes acrescentou que o propósito é reunir empresários de todos os países da CPLP para que a CE-CPLP possa “efetivar negócios”.


“São Tomé e Príncipe é um país que está aberto aquilo que é a captação de investimento e nós estamos a apoiar nessa dinâmica”, frisou.


Quanto às principais dificuldades para se fazerem negócios em São Tomé e Príncipe, além da exiguidade do seu mercado, Elma Fernandes considera que é “encontrar o ‘match'”.


“Em relação às dificuldades é encontrar o ‘match’. Aquilo que se procura é aquilo que se encontra e fazer, criar essa relação, que seja saudável e que seja benéfica, obviamente para o país e também para quem investe”, sintetizou.


O Banco Mundial caracteriza São Tomé e Príncipe como um país que “enfrenta desafios que são típicos de Estados pequenos e insulares e que afetam a sua capacidade de lidar com choques e de ter um orçamento equilibrado”.


“O número limitado de pessoas e trabalhadores no país impede muitas vezes uma produção eficiente de bens e serviços à escala necessária para satisfazer a procura dos mercados locais e de exportação”, define o Banco Mundial.


Acresce que a sua “localização distante e a sua insularidade aumentam os custos da exportação, e a disponibilidade limitada de terras e a reduzida mão-de-obra impedem o país de diversificar a sua economia, tornando-o mais vulnerável aos choques dos termos de comercialização”.


Integram a CPLP Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste.



EL // LFS


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário