25 Janeiro 2023, 01:11

MNE realça importância da Argélia para as empresas portuguesas e Europa

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Lisboa, 23 mar 2022 (Lusa) — O ministro português dos Negócios Estrangeiros salientou hoje, após uma visita a Argel, a importância da Argélia para as empresas portuguesas e para a Europa diversificar fontes de abastecimento de gás e diminuir a dependência energética face à Rússia.


Augusto Santos Silva reuniu-se hoje como o seu homólogo argelino, Ramtane Lamamra, para fazer um ponto de situação das relações económicas e comerciais, das relações político diplomáticas bilaterais e da cooperação na área da energia.


Estes temas podem também abordar numa reunião, de mais de uma hora, com o Presidente da República da Argélia, Abdelmadjid Tebboune, na perspetiva da próxima cimeira entre os dois países, que o chefe da diplomacia portuguesa adiantou que “espera que se realize este ano de 2022”, depois de adiamentos devido à pandemia.


“É importante ter em conta que a Argélia é um grande produtor de gás e que a diversificação das fontes de abastecimento de gás é essencial para a Europa diminuir a sua dependência energética face a Rússia”, salientou o ministro em declarações à Lusa.


Em termos bilaterais, Santos Silva frisou a importância de cultivar relações que depois facilitem a vida às empresas.


“Um bom relacionamento bilateral, com um país no qual temos 80 empresas portuguesas a investir e mais de 300 empresas a exportar ajuda em todos os domínios, incluindo este domínio estratégico que é a energia”, frisou.


Santos Silva referiu ainda que a Argélia é um interlocutor que é importante ouvir “quando está em causa a situação na Líbia, a situação no Sahel, a cooperação entre União Europeia e União Africana”.


Esta visita ocorre na véspera de um Conselho Europeu, em Bruxelas, onde estará o primeiro-ministro português, António Costa, em que serão discutidas questões como um eventual endurecimento das sanções à Rússia, designadamente a nível de um embargo à importação de gás e petróleo, no contexto da guerra na Ucrânia.


Santos Silva, que viaja também para Bruxelas para participar na cimeira da NATO, escusou-se a adiantar à Lusa se deixa o Ministério dos Negócios Estrangeiros, no novo Governo, como adiantaram alguns órgãos de comunicação social.


“Vejo que infelizmente não se perdeu a tradição de tentar adivinhar e formar governos, mas só há uma pessoa indigitada para formar Governo” e a única lista em que se deve acreditar “é a que o primeiro-ministro entregará ao Presidente da República e que este divulgará”.



ANP // PDF


Lusa/fim

Sem comentários

deixar um comentário