08 Outubro 2022, 10:41

Moçambique/Ataques: Borrell satisfeito com 15 ME para missão e espera apoiar Ruanda

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Maputo, 08 set 2022 (Lusa) – O alto representante da União Europeia (UE) para Negócios Estrangeiros disse hoje em Maputo que além dos 15 milhões de euros hoje anunciados para a missão militar africana em Cabo Delgado, espera vir a apoiar o contingente do Ruanda.


“Espero que possamos fazer o mesmo com o Ruanda”, que também tem tropas no terreno a apoiar os militares moçambicanos no combate ao terrorismo no norte do país, referiu, ao comentar a decisão hoje anunciada em Bruxelas.


“Estou satisfeito por ter anunciado ao Presidente da República [moçambicano] o apoio de 15 milhões de euros” para a missão da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral em Cabo Delgado (SAMIM), referiu aos jornalistas, após o encontro com o chefe de Estado.


O líder da diplomacia europeia lamentou as seis mortes provocadas desde sábado na mais recente vaga de ataques armados no norte de Moçambique, entre as quais, a morte de uma missionária italiana.


Borrell referiu que a solução para o conflito não pode ser apenas militar.


“A paz precisa de desenvolvimento” e de acesso a serviços básicos, como saúde, educação e abastecimento de água, investimentos que a UE também apoia no norte de Moçambique, disse.


Borrell chegou a Moçambique ao mesmo tempo que a UE aprovava a disponibilização de 15 milhões de euros para a SAMIM em Cabo Delgado, depois do aval do Conselho, em abril, a um programa geral de apoio à União Africana em 2022-2024 ao abrigo do Mecanismo Europeu de Apoio à Paz.


A verba, segundo um comunicado, vai financiar a componente militar da missão da SADC, nomeadamente fortificações de campo e contentores de armazenamento, equipamento médico, veículos e barcos, assim como dispositivos tecnológicos.


Esta parcela complementa uma verba de 89 milhões de euros de financiamento às forças armadas de Moçambique destinada a equipar as unidades que são treinadas pela missão da UE no país – a missão liderada por Portugal já treinou 600 militares, referiu.


Borrell testemunha na sexta-feira, num quartel da Katembe, margem sul de Maputo, a entrega de algum desse equipamento.



LFO (IG) // JH


Lusa/fim

Sem comentários

deixar um comentário