29 Janeiro 2022, 12:43

Moçambique/Ataques: Governador de Cabo Delgado destaca reposição de serviços básicos

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Pemba, Moçambique, 07 de jan 2022 (Lusa) — O governador de Cabo Delgado, Valige Tauabo, disse hoje, em Pemba, que as operações militares das forças que combatem a insurgência armada em Cabo Delgado estão a permitir o restabelecimento dos serviços básicos em pontos que estavam sob domínio rebelde.


“As nossas forças e suas congêneres, dos países da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) e do Ruanda, estão a trabalhar arduamente para estabelecer a tranquilidade nesses distritos e este trabalho árduo permitiu que nós começássemos a instalar os serviços básicos”, declarou Valige Tauabo.


Aquele responsável falava momentos após uma cerimônia simbólica que marcou a recepção de 80 descodificadores oferecidos pela Televisão de Moçambique, meios que deverão ser montados nos distritos da província, incluindo alguns afetados pela insurgência ( Quissanga e Mocímboa da Praia), no âmbito da migração digital em curso no País,


Para  Valige Tauabo, o restabelecimentos dos serviços básicos é a condição para o retorno da população que abandonou estes locais devido às incursões de rebeldes.


“Sem estes serviços básicos, como nos referimos, seria difícil o regresso da nossa população”, frisou o governador daquela província do Norte de Moçambique.


A província de Cabo Delgado é rica em gás natural, mas, aterrorizada desde 2017 por rebeldes armados, sendo alguns ataques reclamados pelo grupo extremista Estado Islâmico.


O conflito já provocou mais de 3.100 mortes, segundo o projeto de registo de conflitos ACLED, e mais de 817 mil deslocados, de acordo com as autoridades moçambicanas.


Desde julho, uma ofensiva das tropas governamentais com apoio do Ruanda a que se juntou depois a Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) permitiu aumentar a segurança, recuperando várias zonas onde havia presença de rebeldes, nomeadamente a vila de Mocimboa da Praia, que estava ocupada desde agosto de 2020.



RYCE // PJA


Lusa/Fim.

Sem comentários

deixar um comentário