18 Janeiro 2022, 01:37

Moçambique/Ataques: Missão militar da SADC diz que está empenhada na “perseguição aos terroristas”

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Maputo, 04 dez 2021 (Lusa) – A Missão Militar da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral em Moçambique (SAMIM, sigla inglesa) assegurou hoje que mantém a “perseguição aos terroristas” que atacam a província de Cabo Delgado, visando a restauração da vida das populações.


A SAMIM expressa a sua determinação no combate aos grupos armados no norte de Moçambique, num comunicado que divulgou hoje sobre a visita do comandante das Forças de Defesa do Botsuana (BDF), Placid Segokgo, e do comandante do Exército do país, Joseph Seelo, à província de Cabo Delgado.


“As forças da SAMIM, em apoio ao Governo de Moçambique, continuam a criar as condições necessárias para um regresso à vida normal na província de Cabo Delgado, à medida que perseguem os terroristas”, refere a nota de imprensa.


O comunicado reitera o apoio da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SAC) ao povo de Moçambique para o alcance da paz, estabilidade e segurança de Cabo Delgado e de todo o país.


“A região da SADC está muito satisfeita com a forma como as forças estão a executar o seu mandato”, disse o comandante das Forças de Defesa do Botsuana (BDF).


Placid Segokgo apelou aos efetivos da SAMIM para “darem o seu melhor e orgulharem a região, através da degradação da força dos insurgentes e estabilização da província de Cabo Delgado”.


O objetivo final, prosseguiu, é o alcance da paz na África Austral, apesar dos desafios prevalecentes.


No comunicado, a SAMIM dá conta da morte, por doença, de um militar das Forças de Defesa do Lesoto que integrava a força da SADC destacada em Moçambique, endereçando condolências à família, amigos e ao povo do país do defunto.


A província de Cabo Delgado é aterrorizada desde outubro de 2017 por rebeldes armados sendo alguns ataques reclamados pelo grupo Estado Islâmico.  


O conflito já provocou mais de 3.100 mortes, segundo o projeto de registo de conflitos ACLED, e mais de 817 mil deslocados, de acordo com as autoridades moçambicanas.  


Desde julho, uma ofensiva das tropas governamentais com o apoio do Ruanda a que se juntou depois a SADC permitiu aumentar a segurança, recuperando várias zonas onde havia presença de rebeldes, nomeadamente a vila de Mocímboa da Praia, que estava ocupada desde agosto de 2020.  


 


PMA // JNM


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário