22 Dezembro 2022, 10:34

Moçambique/Ataques: Partidos parlamentares exigem “escrutínio” do custo da guerra

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Maputo, 22 abr 2021 (Lusa) – Os partidos da oposição parlamentar moçambicana defenderam hoje “o escrutínio” do custo da guerra na província de Cabo Delgado, norte do país, acusando o Governo de “falhanço” e alertando para o risco de “enriquecimento ilícito das elites” com conflito.

A exigência foi feita durante o segundo e último dia da sessão de perguntas ao Governo na Assembleia da República.

“O setor da defesa e segurança deve ser escrutinado, porque em tempos de guerra, as elites usam este setor para o seu enriquecimento ilícito”, afirmou o deputado Fernando Bismarque, do Movimento Democrático de Moçambique (MDM), terceiro partido parlamentar.

Insistindo na pergunta que o MDM já tinha feito na quarta-feira ao executivo sobre os custos da luta contra os “terroristas” e o recurso a “mercenários” em Cabo Delgado, Fernando Bismarque repudiou que o Governo faça “segredo” das despesas do conflito no norte do país.

“É o papel do Governo prestar contas à Assembleia da República. Não é nem deve ser nenhum segredo de Estado, porque é esta casa que aprovou o Orçamento do Estado e estamos no âmbito das nossas competências constitucionais e regimentais de fiscalização da ação governativa”, afirmou aquele deputado do MDM.

Por seu turno, a Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), principal partido da oposição, considerou que o executivo falhou na ação governativa, apontando “a falta de respostas” às questões colocadas pela oposição como prova da falta de ideias no seio do Governo.

“De acordo com o que se passou aqui, onde o que tivemos foi a falta de respostas a situações preocupantes ao nível da ação governativa, este Governo falhou”, afirmou António Muchanga, deputado da Renamo.

Por seu turno, a Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo), partido no poder, qualificou como “sensata” a recusa do Governo em debater assuntos relacionados com a atividade das Forças de Defesa e Segurança (FDS) no combate aos insurgentes em Cabo Delgado, enfatizando que a estratégia de guerra não se discute em público.

“Infelizmente, há vozes que encaram o terrorismo com leviandade, esquecendo que Moçambique não é um único país em África a ser assolado pelo terrorismo”, declarou Francisco Mucanheia, deputado da maioria.

No discurso final da sessão de perguntas ao executivo, o primeiro-ministro, Carlos Agostinho do Rosário, apelou à “prudência” na exigência sobre a divulgação de aspetos relacionados com operações militares em Cabo Delgado, reiterando o argumento que já tinha avançando na quarta-feira de que o tema é “sensível”.

“Como nos referimos na nossa intervenção ontem [quarta-feira], nesta magna casa do povo, questões de natureza militar como sejam estratégia, tática, logística e meios usados para o combate ao terrorismo são reservadas às Forças de Defesa e Segurança”, declarou Rosário.

Grupos armados aterrorizam Cabo Delgado desde 2017, sendo alguns ataques reclamados pelo grupo ‘jihadista’ Estado Islâmico, numa onda de violência que já provocou mais de 2.500 mortes, segundo o projeto de registo de conflitos ACLED, e 714.000 deslocados, de acordo com o Governo moçambicano.

O mais recente ataque foi feito em 24 de março contra a vila de Palma, provocando dezenas de mortos e feridos, num balanço ainda em curso.

As autoridades moçambicanas recuperaram o controlo da vila, mas o ataque levou a petrolífera Total a abandonar por tempo indeterminado o recinto do projeto de gás com início de produção previsto para 2024 e no qual estão ancoradas muitas das expetativas de crescimento económico de Moçambique na próxima década.

PMA // JH

Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário