26 Novembro 2021, 22:59

Moçambique/Ataques: Presidência portuguesa “empenhou-se muito” no lançamento de missão de formação militar

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Bruxelas, 12 jul 2021 (Lusa) — O ministro dos Negócios Estrangeiros afirmou hoje que a presidência portuguesa do Conselho da UE se “empenhou muito” no “lançamento” da missão de formação militar da União Europeia (UE) em Moçambique, que vai hoje ser aprovada pelo bloco.


“Da reunião de hoje, gostaria de destacar, em primeiro lugar, a aprovação formal da missão de treino e formação militar de apoio às Forças Armadas de Moçambique. É uma missão da UE em cujo lançamento a presidência portuguesa do Conselho [da UE] muito se empenhou no último semestre”, afirmou Augusto Santos Silva.


O chefe da diplomacia portuguesa falava à entrada para o Conselho dos Negócios Estrangeiros, que decorre hoje em Bruxelas e que reúne o conjunto dos ministros dos Negócios Estrangeiros da UE.


Durante a reunião, os chefes das diplomacias europeias deverão formalmente aprovar o lançamento da missão EUTM Moçambique, que, segundo fontes europeias, irá “treinar as companhias de forças especiais moçambicanas” para que “desenvolvam uma reação de força rápida que permita mudar a situação em Cabo Delgado”.


Além da aprovação formal da missão a Moçambique durante a reunião de hoje, Augusto Santos Silva também realçou a importância do almoço de trabalho que os ministros dos Negócios Estrangeiros irão ter com o seu homólogo israelita, Yair Lapid.


“É muito importante este primeiro contacto com o novo Governo israelita, tanto mais quanto hoje de manhã já tivemos a oportunidade de ter uma muito útil reunião com o ministro egípcio dos Negócios Estrangeiros”, referiu.


Numa reunião onde os ministros também irão discutir a atual situação na região de Tigray, na Etiópia — após a Frente Popular de Libertação de Tigray (TPLF, na sigla em inglês) ter ocupado Mekele, a capital da região, e o Governo federal ter declarado, em 28 de junho, um cessar-fogo unilateral –, Augusto Santos Silva salientou ainda que o Corno de África “é uma das regiões que mais necessita do empenhamento da UE no sentido de promover a estabilidade, a segurança e a paz das populações”.


Após, em 30 de junho, os representantes permanentes dos Estados-membros junto da UE terem endossado o conceito de gestão de crise de uma futura missão de formação militar em Moçambique, espera-se que, hoje, os ministros dos Negócios Estrangeiros deem o seu aval final à missão em questão.


Segundo fontes europeias, a missão EUTM Moçambique terá uma duração de 28 meses e será chefiada pelo brigadeiro-general do Exército português Nuno Lemos Pires.


Grupos armados aterrorizam Cabo Delgado desde 2017, sendo alguns ataques reclamados pelo grupo ‘jihadista’ Estado Islâmico, numa onda de violência que já provocou mais de 2.800 mortes, segundo o projeto de registo de conflitos ACLED, e 732.000 deslocados, de acordo com a ONU.



TEYA // VM


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário