08 Setembro 2022, 20:31

Moçambique/Ataques: Segurança deverá permitir novo cronograma de megaprojeto de gás – Governo

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Pemba, Moçambique, 10 set 2021 (Lusa) – A progressiva segurança em Cabo Delgado deverá permitir reatar contactos e traçar um novo cronograma do megaprojeto de gás do Rovuma, disse hoje o ministro dos Recursos Minerais e Energia moçambicano, Max Tonela.


O projeto foi interrompido em março, devido à violência armada provocada por insurgentes.


“As equipas estão em ‘stand-by’ e houve necessidade de desmobilizar vários contratos para mitigar ou minimizar os custos durantes o período de interrupção”, explicou o governante aos jornalistas durante uma visita à província.


“O que nós vamos fazer, seguindo a normalização da situação de segurança, é retomar os contactos para desenhar o novo cronograma, mas isso será feito a seu tempo”, detalhou.


A retoma dos projetos acontecerá logo que estejam “asseguradas condições de segurança e estabilidade a longo prazo”, disse ainda o ministro, em linha com o que tem sido anunciado pelos intervenientes, desde março.


Questionado pelos jornalistas sobre se o aumento de segurança corresponde a um perímetro seguro em redor dos projetos de gás, Tonela respondeu que a tranquilidade deve chegar a toda a província, sem limites.


“O objetivo do Governo é que haja segurança em todas as zonas afetadas pela ação terrorista e essa é também a perspetiva que temos com as [empresas] concessionárias dos projetos de gás”, ou seja, permitir que “as populações possam regressar e tirar benefício dos projetos”, disse.


O megaprojeto da Área 1, liderado pela petrolífera francesa Total, o maior investimento privado em África (da ordem dos 20 mil milhões de euros), está em construção e tinha arranque previsto para 2024, antes da suspensão ocorrida em março.


Grupos armados aterrorizam a província de Cabo Delgado desde 2017, sendo alguns ataques reclamados pelo grupo extremista Estado Islâmico.


O conflito já provocou mais de 3.100 mortes, segundo o projeto de registo de conflitos ACLED, e mais de 817 mil deslocados, segundo as autoridades moçambicanas.


Desde julho, uma ofensiva das tropas governamentais com o apoio do Ruanda permitiu aumentar a segurança, recuperando várias zonas onde havia presença de rebeldes, nomeadamente a vila de Mocímboa da Praia, que estava ocupada desde agosto de 2020.



*** A Lusa viajou a Cabo Delgado a convite do Governo de Moçambique ***


 


LFO // VM


Lusa/Fim


 

Sem comentários

deixar um comentário