24 Maio 2022, 04:30

Moçambique considera prematuro reforço de medidas face ao aumento de casos de covid-19 na África do Sul

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Maputo, 13 mai 2022 (Lusa) – O Instituto Nacional de Saúde (INS) de Moçambique considerou “prematuro” o reforço das medidas de prevenção da covid-19 no país perante o aumento de casos na vizinha África do Sul.


“Neste momento, as perspetivas [de controlo de covid-19] são muito favoráveis tanto em Moçambique, assim como na região” da África Austral, afirmou Sérgio Chicumbe, diretor de Inquéritos e Observação de Saúde no INS, em declarações à Agência de Informação de Moçambique (AIM).


Chicumbe avançou que as


taxas de positividade, internamentos e de incidência cumulativa de casos estão num nível tão baixo em Moçambique que não se justificam, por enquanto, novas restrições para a prevenção da pandemia.


“Quando há um grande número de internados em risco de mortalidade justifica-se a adoção de medidas mais restritivas” visando “proteger o Serviço Nacional de Saúde”.


Sérgio Chicumbe avançou que a nova vaga do novo coronavírus na África do Sul justifica uma situação de alerta em Moçambique e noutros países vizinhos.


“A vigilância fronteiriça está estabelecida e fortalecida e isto é um garante do acompanhamento da situação”, assegurou Chicumbe.


Por outro lado, prosseguiu, Moçambique tem uma boa cobertura vacinal contra a covid-19, situação que pode contribuir para proteger o país de um quadro mais grave, em caso de novas ondas de infeção.


A Organização Mundial da Saúde (OMS) referiu na quinta-feira que os casos de covid-19 registados semanalmente quadruplicaram na África do Sul, nas últimas três semanas, tornando este país o principal responsável pelo aumento de casos de covid-19 na África Austral, pela terceira semana consecutiva, à medida que a região se aproxima do inverno.


“Este aumento de casos é um sinal de alerta que estamos a acompanhar de perto”, disse o diretor de preparação e resposta a emergências da OMS para a África Austral, Abdou Salam Gueye.


 


PMA // PJA


Lusa/Fim


 

Sem comentários

deixar um comentário