10 Setembro 2022, 02:55

Moçambique diz que tem responsabilidade acrescida na transição energética

LUSA Autor
Agência de notícias de Portugal

Maputo, 04 ago 2022 (Lusa) – O ministro dos Recursos Minerais e Energia de Moçambique afirmou hoje que o país africano tem responsabilidades acrescidas na dinamização da transição energética, porque começa este ano a produzir gás natural liquefeito na bacia do Rovuma, norte do país.


“O presente ano deve ser marcado, entre outros acontecimentos, pelo início, pela primeira vez em Moçambique, da produção e exportação de gás natural liquefeito, através do Projeto Coral Sul FLNG, bem como do fecho do sexto concurso para novas áreas de pesquisa de hidrocarbonetos, o que adiciona maior sentido de responsabilidade e necessária reflexão sobre a tão almejada transição energética”, declarou Carlos Zacarias.


O governante falava durante a abertura do sétimo conselho coordenador do Ministério dos Recursos Minerais e Energia, que decorre na província de Gaza, sul de Moçambique.


Graças ao seu imenso potencial em gás natural, prosseguiu, Moçambique posiciona-se como um ator de peso na redução de combustíveis poluentes e crescente adoção de fontes limpas.


Além de contribuir para a transição energética, Moçambique pretende que os seus recursos naturais sejam usados também para o desenvolvimento social e económico do país, acrescentou.


“No que diz respeito aos hidrocarbonetos, estes são vistos como um vetor indispensável para o futuro do país. É, pois, neste diapasão que, no fim destes dois dias de reflexão [do conselho coordenador], devemos ter uma visão estratégica mais aprimorada”, enfatizou Carlos Zacarias.


Outro desafio que o setor dos recursos minerais e energia enfrenta é a organização da mineração artesanal, visando colocar este ativo ao serviço do desenvolvimento social e económico face ao garimpo e contrabando, destacou.


Nesse sentido, defendeu, os operadores da mineração artesanal devem organizar-se em cooperativas com o objetivo de facilitar o controlo da atividade.


Carlos Zacarias avançou que, no domínio da energia, Moçambique tem o compromisso de “assegurar o acesso universal à energia para todos até 2030, através da eletrificação dos postos administrativos ao longo do país, com recurso à rede elétrica nacional e sistemas isolados”.


Esse objetivo, continuou, também será alcançado através do aumento de capacidade de produção de energia elétrica, desenvolvimento de novos projetos de transporte e distribuição.


O ministro observou que, com o seu potencial, Moçambique tem capacidade para conseguir a autossuficiência e o incremento do fornecimento na região.


 


PMA // LFS


Lusa/Fim

Sem comentários

deixar um comentário